domingo, 8 de novembro de 2009

CERTO OU ERRADO? >> Eduardo Loureiro Jr.


Dá pra entender por que somos conhecidos por homo sapiens? Quantos homens, e mulheres, realmente sábios você conhece?

Deveríamos nos chamar homo certus. Porque todos nós sempre achamos que estamos com a razão. Eu escrevendo essas ideias malucas, você lendo (se está gostando, acha certo; se não estiver gostando, acha certo estar criticando), o advogado, o médico, o professor... todo mundo se acha certo. A torcida do Flamengo, e a do Vasco também.

Até quem faz a coisa errada se acha certo — basta entrevistar qualquer criminoso que se preze para ver ele se auto-inocentar de qualquer culpa. E mesmo quando o pecador assume o pecado, ele acha que está certo em admiti-lo. Ainda estou pra ver alguém que faça alguma coisa que não está certa sem nenhuma justificativa, sem defender uma ética labiríntica, sem dizer que fez porque quis — pois  fazer o que se quer é considerado certo. Se alguém dissesse que fez algo errado por um motivo errado e que desconfia estar errado de estar contando tudo, possivelmente seria tachado de louco — embora os loucos sejam justamente aqueles que parecem mais certos de si.

E, paradoxalmente, mesmo com esse mania toda de estarmos certos o tempo inteiro, a gente comete mais erros do que seria aceitável. Pelo menos é essa a impressão que dá já que a gente passa muito tempo da nossa vida tentando consertar erros, fazer as coisas direito. Esses dias me peguei querendo fazer tudo direitinho, com vontade de tornar-me um ser humano exemplar, um homem distinto, trabalhador, responsável, gentil, fiel, atencioso, cumpridor dos deveres e das promessas. Fiquei imaginando como teria sido minha vida se eu tivesse me proposto a isso — a ser certinho — mais cedo. E a conclusão a que cheguei é que, se eu tivesse sido mais certinho do que já fui, eu não teria tido vida.

Ou talvez eu esteja apenas doente e, à moda de Alberto Caeiro, pensando o oposto do que pensaria se estivesse são, mas me ocorreu que viver a vida mesmo, a vida vivida, só errando. Não só esses errinhos morais bestas, mas todos os erros possíveis. Errar na alimentação, na educação, no relacionamento, no trabalho... Errar feio até perder a vergonha, até deixar cair a máscara da hipocrisia de que somos bons, de que somos inteligentes, de que sabemos o que estamos fazendo. Não, não sabemos. Nenhuma criança sabe o que está fazendo quando está brincando, e é isso que nós estamos fazendo aqui: brincando. De tanto brincar, a criança acaba acertando, mas não com empáfia. A criança, de tanto errar, acerta com alegria. O parâmetro está bem no meio do nosso peito: um músculo batendo animado, leve, feliz. Certo ou errado, é o coração que diz.

Qual o erro que você cometeu hoje? Eu cometi o erro de escrever duas crônicas — cada uma mais errada que a outra. E o dia está apenas começando...



Partilhar

8 comentários:

Anônimo disse...

Que belo erro, duas crônicas em uma manhã de domingo! Obrigada!

Anônimo disse...

Ainda bem que parou de querer ser certinho. Pessoas assim são muito chatas e sem graça. Prefiro brincar! :)
Beijo da Maria

Eduardo Loureiro Jr. disse...

Pois é, anônima, parece que um erro equilibrou o outro. :)

Brinquemos, Maria.

Anônimo disse...

bom que as pessoas resolvem errar de vez em quando... obrigada pala crônica... fez-me bem saber que não sou a única a cansar de ser certinha

Eduardo Loureiro Jr. disse...

Anônima, vamos lançar o movimento CSC (Cansamos de Ser Certinhos)? :)

Carla Dias disse...

Olha que os erros que cometi, somente hoje, dariam em uma boa lista... E você em dose dupla não é erro cometido, mas sim gratificação em dobro : )

Cláudia disse...

Eduardo, sabe que você está certo?!rs Se você considera que errou, continue errando assim! Faz bem para mim, faz bem para todos os que leem o que você escreve! Parabéns!

Eduardo Loureiro Jr. disse...

Carla, então vamos continuar errando. :)

Tá bom, Cláudia, continuo errando e mando "a conta" pra você. :)