Pular para o conteúdo principal

PERIGO: CASAMENTO
>> Felipe Peixoto Braga Netto


Casar é perigoso.

Eu nunca afirmo nada sem provas, então vamos a elas.

Ontem, caminhando à noite ali pela região hospitalar, estava calor. Sabe aquela igreja que fica em frente aos hospitais? Pois bem, havia um casamento, havia convidados, noiva, noivo e até padre. Não sei se foi o calor, não sei, mas o noivo, caminhando para o altar, achou melhor cair, e caiu mesmo. Caiu tão caidamente que se machucou. Levaram o pobre para o hospital em frente. Foram todos, até o padre. A noiva também, de vestido e tudo. E eu, fiel repórter que sou, afirmo que até onde soube o noivo se feriu gravemente, e talvez não houvesse mais casamento.

Falo com certo tom irônico e sinto culpa porque, afinal de contas, pareciam boa gente, devem ter se esforçado para pagar tudo aquilo, casar é caro. Além de perigoso.

Na mesma ocasião, soube de outra prova irrefutável.

Nesta mesma cidade, isso faz algum tempo, houve casamento. Esse pelo menos aconteceu, o padre cumpriu seu dever. Mas, depois do casamento, costuma haver festas. E não se pode comemorar nada antes que o jogo acabe, todo mundo sabe. Na festa o noivo começou a se sentir mal. Na verdade já estava se sentindo assim antes. É falta de açúcar, alguém acusou. Come esse docinho aqui. E o noivo comeu docinho. E todos comeram e beberam. O mal-estar do noivo, porém, não gostava de doce, pois continuou. E lá foram levar o noivo para o hospital, vários amigos de terno, aquela coisa de certo modo divertida.

Chegaram, o hospital achou que era só bebedeira de rapazes, tudo ficaria bem.

Não ficou. O noivo decidiu morrer minutos depois. Parada cardíaca.

Eu falei, casar é perigoso.


Comentários

Bem divertido, Felipe. Mas não posso deixar de perguntar... Tá com medo de encarar? :)
Anônimo disse…
Ahh....pode ser perigoso...mas eu quero de novo...tem alguém ai que se habilite?...rssss

Guimarães Rosa já sentenciou:
"VIVER É PERIGOSO"

um beijo e um queijo
klaudya
Sam Green disse…
Fala, Felipe!
Cara, tô dando ataques de riso aqui no meu quarto agora. Sei que não devia, mas só de imaginar a cena começo a lacrimejar de tanto rir!
E no caso do primeiro casamento, não foi o padre que não cumpriu o seu dever e sim o noivo, neh? kkkk.
Mas sabe que já tô até começando a ficar com medo disso também.
Já no caso do segundo casamento, será que foi culpa da sogra? Talvez ela tenha feito o docinho. Eu pensei que o noivo só comia o docinho feito pelos sogros depois da festa. Aiaiai. Parece que foi muita pressão! Pelo menos o coitado sofreu por pouco tempo e pôde descansar em paz.
Grande abraço Felipe. PARABÉÉNS!
Lucas Conrado disse…
Pra variar um pouco, Felipe dando show em suas crônicas! E realmente, casar é muito perigoso!
Cláudia disse…
Felipe, se você sobreviver à "perigosa" cerimônia, não sabe o que te espera depois...
Debora Bottcher disse…
Ai, concordo plenamente! Da primeira vez que me casei quase morri - sim, literalmente. Da segunda, ainda estou a sobreviver. :)
Beijo.
Anônimo disse…
Olá gente!!

Puxa, obrigado, de verdade, pela leitura e pelas mensagens.

Passei umas semanas - supremo pecado - sem dar um pulinho aqui. Volto hoje pra ficar. Rs...

Ao Eduardo, Kláudia, Sam Green, Lucas Conrado (escritor dos bons), Cláudia e Débora, meu muito obrigado, abração!!

Felipe Peixoto

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …