Pular para o conteúdo principal

Querida Sofia,


Você ainda não sabe, mas a cidade está ficando muito diferente.

Hoje mesmo, aqui embaixo, no prédio, começaram a enfeitar as árvores. Os shoppings já estão todos iluminados e coloridos, puseram árvores enormes dentro deles, com laços e pisca-pisca diversos. As luzinhas colorem e embelezam a noite de São Paulo.

E sabe o que isso significa?

Isso significa, filha, que você está para chegar... E a cidade — não, a cidade só não — o país, o mundo inteiro, está enfeitando as árvores e as ruas com luzinhas brilhantes para recepcionar você.

Logo que eu soube que estava grávida, lá para abril ou maio, eu pensei: "Quando ela chegar, vai ser uma festa". E está sendo mesmo. O curioso é que eu não avisei o zelador que você estava chegando, não falei nada para o prefeito nem para os donos dos shoppings, mas eles devem ter visto o tamanho da minha barriga, e logo imaginaram. Eu bem que achei que o porteiro cutucou o faxineiro aqui do prédio a semana passada, quando me viu. Não pude escutar bem, mas, de certo, um falou pro outro: "Aí, olha o tamanho da barriga, a Sofia deve estar chegando, vamos arrumar tudo, mano, manda buscar as luzinhas aí, pra arrumar o prédio pra garota..." E assim foi. Depois, sabe como é, a notícia se espalha... Um falou para o outro, que falou para o outro, que falou para o outro e todo mundo já ficou sabendo. Agora, em todo lugar tem pinheiros enfeitados com luzes e laços. As cores que a maioria escolheu foram vermelho e verde. Laços e bolas enfeitam as árvores, é uma maravilha de se ver, filha. Outro dia, vi, pela internet, que Nova Iorque também está iluminada, acredita? Não pensei que a notícia fosse chegar tão longe, mas, para você ver o quanto é especial, Sofia, até lá eles iluminaram as árvores, enfeitaram as portas das casas. Não faço idéia de como descobriram, mas hoje em dia as notícias correm muito depressa, tem internet, informações online, também tem meu blog, né? Alguém deve ter visto, um brasileiro que mora lá, não sei, e foi contando para os outros. Falou da nossa história, falou da sua chegada, ao que todo mundo se emocionou e tratou de tornar o mundo mais bonito...

Não demore, querida, mas também não venha cedo. Tem prédios que estão começando agora. Eu tratei de deixar escapar que ainda faltam uns 15 dias, para todo mundo se programar. E eles estão correndo, Sofia, estão trabalhando à beça, embaixo de sol.

Quando voltarmos da maternidade, nós três, eu vou acenar para as pessoas e mostrar para você que beleza que ficou o mundo, inteiro arrumado, inteiro preparado, só para te ver chegar... Talvez você ainda não entenda bem, mas há de abrir os olhos pequenos para todo esse encantamento, e há se sentir aí, bem no fundo do peito, o amor que guardamos, eu, seu pai, a sua família, e todo mundo, todo mundo mesmo, até nos Estados Unidos e na Republica Checa, até na Itália e na Conchichina, todo o mundo, inteiro iluminado e enfeitado, cheio de amor, só para ver você chegar...

Comentários

Uau, por essa a Sofia não esperava! :) E embora, eu sempre espere uma bela crônica, não esperava também me emocionar tanto.
Cláudia disse…
Kika, me emocionei ao ler seu texto e me lembrei das minhas festas... Que a chegada da Sofia seja abençoada e cheia de luz. Que traga muita alegria e festa para você, seu querido e sua família.
Cristiane disse…
Fiquei emocionada... que texto lindo!
Está chegando a hora!
fernanda disse…
E algo me diz que ela vai ser tão querida que, em todos os anos de sua vida, a corrente irá se repetir e o mundo ficará em festa qdo seu aniversário estiver chegando. Parabéns pelo texto e pelo bebê!
vivi rovini disse…
Ai irmã, que lindooooooooooo!!
Realmente a chegada da Sofia é uma festa e a cidade espera por ela sim.

um grande beijo pra vc e vamos pra contagem regressiva... ai ai ai que emoção!!

beijos e amamos vocês
Vivi e Maria Eduarda
Debora Bottcher disse…
Valha-me... Essa Sofia já vai nascer mimada, hein? Pelo mundo inteiro!!! :)))
Beijo, bonita.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …