Pular para o conteúdo principal

LAUDICÉIA >> Albir José da Silva

Laudicéia sentia o bafo quente que entrava pela janela. A blusa azul-claro do uniforme estava azul-escuro e colada no corpo. Tinha sede que a água morna da garrafa pet não saciava. Quarenta minutos com vontade urinar e o ônibus sacolejando no engarrafamento. Finalmente entra na Avenida Atlântica e um vento fresco chega do mar. Um mar azul e branco, comprido que não acaba mais, como se não houvesse ônibus engarrafado, quente, que não chega nunca, e passageiro desaforado. Se pudesse aproveitava esse sinal, saía sem se despedir do motorista, e entrava no mar. Molhava de água fria e salgada a roupa já úmida de suor e esvaziava a bexiga nesse marzão, com um gemido de alívio. Se pudesse, mas não pode.

Não pode porque pela manhã deixou a filha com febre que durou a noite toda. Sua mãe também tossia já há uma semana. Fica até pensando se a febre não tem alguma coisa a ver com a tosse. Lá ficou apenas um litro de leite pela metade e um pouco de arroz. O pedido de vale foi negado de novo. “Só na semana que vem”, disseram.

O sol começa a se esconder mas o calor não diminui. Em frente à boate Help, mulheres e travestis sorriem com saias e shortinhos que parecem revelar muito mais que os biquínis na areia. Estão ali felizes, donos da calçada. Ninguém os incomoda. Ouviu dizer que algumas dessas raparigas chegam a ganhar quinhentos reais por noite. Ela não ganha isso num mês. Até que ainda é jeitosinha, apesar do sofrimento. Uma escova bem feita e não fica devendo nada a essas loiras. Pensa que nem seria difícil: tinha encontrado cada peste de homem na vida – pai, padrasto, tio, marido - que não era possível que na rua fossem piores. E sua filha teria leite, e sua mãe teria remédios.

Tão logo o ônibus saiu da praia eles entraram. Um encostou no motorista e ficou lá, falando baixo. O outro gritou com ela. Que entregasse o dinheiro todo. Que entregasse a bolsa também. E o celular. - Não esconde o dinheiro não, se não vai morrer! Foi pegando as notas, algumas caíram, e ele gritando. Não demorou muito tempo, saíram. Quando deu por si, sentiu as lágrimas no rosto, o coração batucando no peito e a molhadela que descia pro sapato.

Que droga! Agora não sairia às oito, umas três horas na delegacia, só chegaria em casa de madrugada. Nem sabia como é que a filha tinha passado o dia, o telefone sem carga. Agora nem telefone, nem documentos. Preferia que o motorista não desse queixa nenhuma. De que adianta? Amarrou uma blusa na cintura e levantou.

Saiu da polícia por volta de meia-noite. Pensava na filha e tinha fome. Já nem lembrava de boate e de calçadão, quando ouviu a proposta, o convite ou seja lá o que o idiota estava dizendo, e que começava por “leãozinha”. Fechou os olhos, contraiu os lábios e rugiu:

- Tu me respeita, cabra, que eu não sou tua mãe não! Fez sinal para o primeiro dos muitos ônibus que ia pegar até chegar em casa. Na janela, agora, pela segunda vez hoje, rolam suas lágrimas. Ela reza pela filha e pede perdão a Deus pelos maus pensamentos.

Comentários

Sam Green disse…
Ótima crônica. Adorei! Um tapa na cara da sociedade.
Ana Lucia disse…
Muito bom! De Laudicéias dessas o Brasil tá cheio!
fernanda disse…
quem só sabe reclamar da vida, não sabe o que é ser uma laudicéia.
albir disse…
Sam Green,
Ana Lúcia e
Fernanda, obrigado.
Todo mundo sabe das Laudicéias. O que não se quer é enxergá-las.
Abraço.
Crua paulada, Albir. Valeu!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …