Pular para o conteúdo principal

O SPRINT FINAL >> Kika Coutinho >>

Todo corredor já viveu a experiência. Quem não é corredor viveu também, mas, talvez, desconheça o nome. Explico: se você decidir correr uma maratona, meia maratona ou 5kms, quando chegar no final, você sentirá que está esgotado. De alguma forma, enquanto seu corpo e suas pernas imploram pra parar, você saberá que falta 1, apenas 1km. É nessa hora, é justamente quando você acha que pode passar mal, morrer e ser atropelado pelos outros corredores, que você enxerga - talvez ainda um pouco longe - a linha de chegada. Aí, contrariando todos os órgãos do seu corpo, ao invés de parar, você faz o inesperado e corre mais. Acelera os seus passos movido por uma energia até então desconhecida, encanta seus pés e sobre eles atinge o seu recorde de velocidade.

Eu nunca entendi bem essa força. Nunca acreditei nela, mesmo sabendo-a real. Eu sempre duvido que ela me seja presenteada, mas, contrariando todas as expectativas, ao ver a linha de chegada, normalmente uma faixa amarela no alto, essa força inédita me invade e então, movida por ela, dou o meu sprint final. As últimas passadas são as mais demoradas e as mais velozes.
E assim o é para todo mundo, inclusive os não-corredores. Pode ser os seus últimos dias em um trabalho que odiava. Não agüentava mais, estava insuportável, os dias eram infinitos em sua chatice cinzenta, mas, avistando o fim ali, a meio período de um aviso prévio, você pode encontrar um gás desconhecido e dar seu sprint final. É difícil, talvez o momento mais difícil do percurso, mas é quando avistamos o fim de um tormento que ele deixa de ser um tormento. É antes, é naquela linha tênue que divide o fim da dificuldade do começo do desejo, que mora a tal felicidade. Não é no desejo completo. Não é na plenitude do descanso, horas depois da corrida. É na doce visão de que o descanso está pra chegar. É naquele pequeno instante em que ele chega, você respira e dá uma golada de gatorade. É ali, nessa fração de tempo, que habita com mais intensidade a nossa alegria de uma conquista.

O seu gatorade pode ser uma reforma que está pra terminar, e quando ela tornar-se um transtorno maior do que você poderia supor, é justamente aí que você verá que não falta tanto assim e, afinal, ainda tem um gás. Ele é o seu sprint final.

O “não agüento mais” é uma farsa. Você agüenta. Talvez nem devesse, talvez devesse entregar-se à exaustão e permitir-se parar antes do fim. Talvez. Há os que são contra o sprint final. Dizem que, se você não agüenta mais, deve terminar a corrida andando, ainda que a passos lentos. Mas isso será ainda mais doloroso e longo, acreditem. Outros vão mais longe e pregam a desistência. Encerre a corrida, o importante é participar, saia pelo canteiro à esquerda, encoste-se a uma árvore e relaxe, você deu tudo o que podia. Deu mesmo? E o sprint final? Cadê?

Pois eu, ainda com dor nas pernas, digo que caprichem no seu sprint final. É ele que te leva mais longe do que você pensava agüentar. É ele quem te mostra que você é, afinal, mais ainda do que pensa que é. Ele te dá um toque de herói, de mágico, de superpoder. Sim, você tem superpoderes. Brinde-os com Gaterode no final.

Comentários

Hum... temos aqui uma crònica mais subjetiva, em que a escritora mantém um certo mistério, nào revela tudo. :)

Acho que essa crònica chegou na hora certa pra mim. Estou precisando de gàs para um sprint final italiano depois de Firenze. :)
Victor Meira disse…
Pois é, já tô dando um sprint aqui no TCC. Que saco isso, né? Acho que na verdade a gente é preguiçoso, e corre mais devagar no decorrer da maratona porque a gente JÁ CONTA com o sprint no fim. Hahaha.

Beijo.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …