Pular para o conteúdo principal

Diploma não é a resposta. A resposta é a pergunta. >> Maria Rachel Oliveira



E voltou à baila o tema de ser ou não ser o diploma de jornalismo obrigatório para o exercício da profissão. Não fosse este um país onde a lei de oferta e de procura privilegia, em geral, a mão-de-obra mais barata em detrimento da qualidade – fora raras exceções – eu talvez nem me incomodasse tanto com isso. Acontece que, se sequer os jornalistas vem sendo devidamente treinados para exercer a profissão, que dizer daqueles que chegariam desavisados de outras áreas?

Claro, há quem vá argumentar que o jornalismo não é o mesmo de antigamente. Não, não é. As agências de notícias se popularizaram de tal forma que o que grandes veículos buscam, a grosso modo, é alguém que receba o texto de determinada agência – que é a mesma que envia para todos os outros grandes jornais – e o reescreva pra ficar mais com a ‘sua cara’ e não com a da Associated Press ou da BBC. Essa uniformização da informação, a meu ver, é ainda mais gritante no que diz respeito à mídia online. Outro dia mesmo estava refletindo como as notícias são, cada vez mais, as mesmas.

Quando eu entrei na faculdade, em 1991, internet ainda era uma coisa pouco conhecida, e estávamos longe desse conceito da globalização da informação. Computador também era um bicho esquisito, uma geringonça que tinha uma tela preta, e a gente escrevia em um tal de DOS, que vivia ‘dando pau’. Ainda sou capaz de me lembrar do meu primeiro, na redação do finado Jornal dos Sports. E do curso que fiz, no emprego seguinte; de ‘Windows’ (Hein?).

Naquele tempo, o jornalista ainda era aquele cara (ou aquela cara, tanto faz) que via um fato que podia virar uma notícia e corria atrás, da melhor forma, para descobrir o quanto pudesse. Sabia distinguir uma informação relevante de uma irrelevante e transformar aquela maçaroca em um texto – que não seria simplesmente um aprofundamento de qualquer coisa que uma agência tivesse mandado pronta ou resultado dos eventos que todo mundo cobre, todo mundo vê e, não necessariamente, interessa a todo o mundo. Querem um exemplo? Fashion Week. Todos os veículos falam dessa porcaria que, interessa a o quê, 10 porcento da população? Fora o chá de Glorinha Khalil na televisão por dias e dias. Isso para não mencionar as mesmas pesquisas da BBC pipocando em todos os veículos online.

Os jornais abriram tanto o leque de informações que fornecem que, excetuando-se as notícias regionais, as manchetes e os cadernos de cultura noticiam basicamente a mesma coisa de forma distinta. Não tem mais sentido ler um e outro, comparar pontos de vista. Tá uma coisa homogênea e chata pra diabos a tal da mídia ultimamente.

O que um jornalista – com diploma ou sem diploma – aprende, ou deveria aprender, é a ter faro para fatos, a distinguir o que é notícia do que não é. O novo, que o jornal de ontem não vale nada. Isso é o que se deveria ensinar. A buscar a notícia que não foi dada, o ângulo que não foi visto, correr atrás da peça do quebra-cabeça que falta.

Ninguém leva em conta que discutir a obrigatoriedade do diploma não é simplesmente discutir se jornalista sabe ou não escrever. Infelizmente cada vez menos jornalistas escrevem bem, a exemplo do resto do mundo, que como menos lê e menos precisa escrever, desleixou também e agora é um festival de erros crassos pra todos os lados. Só deveria se chamar jornalista aquele que traz por dentro a sede de perguntar.

Comentários

rm disse…
Ei Rachel,
acho que seu texto chega muito perto da realidade atual (e infeliz) do jornalismo brasileiro.

E os salários pagos aos profissionais recém-diplomados ilustra bem o real valor dos diplomas universitários...

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …