Pular para o conteúdo principal

STAND - OS MOÇOS DA MÚSICA >> Carla Dias

O mais interessante sobre a internet é poder usá-la como uma eficiente ferramenta para encontrar o melhor daquilo que apreciamos. Se você tem a mente aberta, pode até mesmo expandir o universo das ideias e alimentar a própria alma apenas fazendo uma busca sobre um assunto específico sobre o qual gostaria de saber um pouco mais. Você também pode fazer o que quase todos vêm fazendo: ‘googar’ suas curiosidades.

Não há lugar mais democrático. Claro que nós também precisamos aplicar bem a nossa capacidade de julgar, pois a internet abriga o melhor e também o pior.

Conheci alguns grandes músicos e escritores, através da internet. Muitos deles se tornaram bons amigos, e desde então, a linguagem artística deles tem feito parte da minha vida.

Às vezes eu os encontro… E às vezes eles me encontram.

Uma das bandas mais bacanas que conheci nos últimos tempos– obrigada internet! – foi a irlandesa Stand, formada por Carl Dowling (bateria/percussão), Alan Doyle (voz/guitarra), Neil Eurelle (voz/baixo) e David Walsh (guitarra/teclados).

A primeira canção da Stand que ouvi foi Slave to the weekend. Tudo sobre ela me surpreendeu e continua a me fascinar. A letra me faz refletir sobre o tempo que gastamos sendo apenas um esboço da pessoa que poderíamos ser. E da envolvente melodia à bateria sincopada de Carl, essa música remete à sensação provocada por um salto no escuro. E não posso deixar de mencionar que acho a voz de Alan perfeita para esta combinação de boa música e inerente letra.

Alan e Neil dividem os vocais principais do repertório da banda. Na expressiva Hang me, Neil faz o vocal principal, permeado por suaves backing vocals que ajudam a criar uma atmosfera quase melancólica. Outra grande canção é Walking with ghosts, mas há muitas delas na biografia musical da Stand, como Dressed to kill (não consegui deixar de lembrar do fantástico filme, de Brian De Palma, Vestida para matar!), Questions, Retro Generation, e a belíssima Laying Low.

Você pode escolher a sua preferida...

Stand - Slave to the Weekend



Clique AQUI para ter acesso à letra Slave to the Weekend.


David e Carl são os principais letristas da banda, mas todos os integrantes contribuem com esse fazer. Junto com Neil, eles formaram a Stand. Logo depois, David convidou Alan para se juntar a eles. Alan é primo de David, quem já estava familiarizado com sua forma de cantar, antes de lhe convidar para fazer parte da banda.

A Stand está em estúdio, gravando o próximo disco, mas já lançaram cinco deles: Correspondent (1999), Beautiful Grey (2001), Intervals (2002), Transmissions (2005) e o vigoroso Travel Light (2007).

Hoje em dia, qualquer um pode ser rotulado artista se tem as ferramentas de mídia certas trabalhando a seu favor, assim como um bom patrocinador, o que acaba gerando muito dinheiro para os envolvidos neste processo. Sucesso é bom, assim como o dinheiro que ele gera, mas o público sabe quem vem para ficar e acredito que a Stand é uma dessas bandas que estão destinadas a fazer parte da história cultural, porque sua música é genuína, poderosa e está muito claro que esses moços realmente gostam do que fazem, o que é um ingrediente essencial.

A Stand vem trabalhando muito para levar sua música ao mundo, usando a internet como parceira, assim como tocando em outros países, como fizeram nos Estados Unidos, em março passado.


A Irlanda pode ser o lugar de origem da Stand, mas certamente o mundo é o palco que eles merecem. Quem sabe o Brasil não possa vê-los por aqui futuramente.


Confira informações e músicas da Stand:

Site Oficial: www.standland.com
Myspace:
www.myspace.com/standland
Reverb Nation: www.reverbnation.com/stand
Facebook: www.facebook.com/stand4

Stand - Little Sweet Lucifer



Clique AQUI para ler a versão em inglês desta crônica.


www.carladias.com
www.osestranhos.com
http://talhe.blogspot.com


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …