Pular para o conteúdo principal

ATCHÓINC >> Maria Rachel Oliveira

A epidemia começou quando a primeira pessoa espirrou e, ao mesmo tempo, curiosamente, se deu conta que não reagia como queria às coisas; mas sim como achava que deveria – o que faz uma grandessíssima diferença. A OMS (Organização Mundial de Saúde) ainda não diagnosticou se o agente causador da epidemia é uma mutação genética do vírus Procrastinum Crônico Culpus – originado da igreja católica, ou se há a possibilidade de uma combinação inédita de dois vírus em um só; a saber: História de Autoboicote e Preguiça Mesmo. Fato é que Q. T., a provável primeira pessoa contaminada, tinha, nos minutos subseqüentes ao primeiro Atchim, gostado muito da videoaula de alongamento que tinha assistido – e feito – via Youtube e prometera a si mesma – realmente – estabelecer uma rotina. Transmitido por uma forma ainda desconhecida pela OMS, tudo indica que a infectada subseqüente tenha sido I.B., a professora de Power Stretching que vestia um collant rosa shocking, cujo vídeo foi publicado no Youtube à sua revelia.

– Eu realmente cheguei em casa mais feliz naquele dia, e, depois de espirrar, por alguma razão que não consigo entender, acabei dando um beijo de boa noite no meu marido e em cada um dos meus filhos – conta I. B., que há muito tempo havia estabelecido uma rotina em que não se tinha tempo para nada, especialmente para as coisas mais importantes.

A rotina da família da professora I. B., parece, mudou muito desde então. Em poucos minutos, todos em sua casa espirravam e, também, conversavam – coisa que não faziam “não me lembro nem desde quando”, disse o marido J.B. que, de tanto resmungar em resposta às coisas, tinha se esquecido da última vez em que isso teria ocorrido.

Em menos de duas semanas o vírus mudava, com um simples espirro, todos os que estavam a menos de 3 metros do agente-transmissor. E a OMS estima que em aproximadamente 4 meses a população já sorriria mais vezes por dia.

-- X --

Essa seria a crônica que Rachel gostaria de escrever. Mas a realidade é que, desde semana passada, não se fala em outra coisa que não as epidemias de picaretagem, com ênfase nas passagens emitidas – até pelo Gabeira! – e na gripe suína, uma espécie de gripe forte e que causa morte em pacientes jovens e aparentemente saudáveis, com idade entre 20 e 50 anos.

Nesse último caso, a autora não consegue deixar de pensar numa espécie de ironia divina. Os que ainda não tem 20 talvez ainda tenham chance de crescer diferente da vara. Os que já passaram de 50 talvez não mudem porque já têm injetada na veia as dissonâncias de caráter – mas talvez, por não procriarem, o Criador tenha considerado que não fazem tão mal assim à humanidade e decidiu poupá-los.

Só duas coisas não encaixam:
- O Gabeira não tem mais de 50 anos?
- O espirro da gripe suína faz ‘Atchóinc’?

Comentários

Rachel, adorei a primeira parte da crônica. Você bem que poderia ter me poupado da realidade. :)
rm disse…
Rss

Muito bom, como já se habituaram seus leitores. Posso recomendar a leitura no bloguinho dos venenos?


Quanto ao mérito:

1) YouTube é uma epidemia tão chata quanto outra qualquer.

2) Gabeira deu uma senhora pisada na bola. Vai custar caro para eventuais pretensões políticas que ainda tenha.

3) O som do espirro deve variar com a raça, tamanho, idade e sexo do porco... Mas no fim muda nada: continuam chafurdando na lama...

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …