Pular para o conteúdo principal

ELE NÃO ESTÁ... >> Carla Dias >>

A gente faz isso o tempo todo... Acredita piamente que pode ser, por que não?

Porque não.

Qual moça não caiu na armadilha do “ele está a fim de mim”, apesar de tudo ir contra e estar claro que ele não está? Qual pessoa não se armou de insistente pensamento positivo em busca da comprovação do que não era?

“Ele não está tão a fim de você” (He's Just Not That Into You/2009) é um filme adaptado do livro de Greg Behrendt e Liz Tuccillo, consultor e redatora-chefe da série Sexy and the city. Eu havia escutado um buchicho sobre o filme, mas não fazia idéia de que estava em cartaz. Fui ao cinema com duas amigas e uma delas comentou sobre ele, então embarquei... O que foi ótimo!

Tirando o bate-papo na sala – gente, por favor, se quiser bater papo não vá ao cinema! – o filme foi uma grata surpresa. Gosto muito da combinação romance e comédia, mas o filme tem de ser convincente e este está no ponto.

“Ele não está...” fala sobre o universo romântico e os tropeços que levamos até compreendermos que não há regra quando o sentimento entra em ação. Apesar de abordar diversos relacionamentos e suas peculiaridades, é a personagem Gigi (Ginnifer Goodwin ) quem incorpora a mulher moderna que deseja – profundamente – ter um relacionamento sério, com direito a romance, então busca em todos os seus encontros o homem certo. Na sua busca, ela idealiza os parceiros, lê sinais de forma completamente avessa e encontra Alex, aquele que decide doutriná-la sobre como entender quando os homens não estão a fim das mulheres.

Outras histórias são costuradas a partir da de Gigi, como as de suas amigas Beth (Jennifer Aniston ) e Janine (a sempre fantástica Jennifer Connelly). Beth mora com Neil (Bem Affleck) há sete anos, mas não são casados e conclui que ele nunca a pediu em casamento, porque não gosta realmente dela, então decide se separar, ainda que Neil insista que seu amor é verdadeiro, apesar de não ser partidário do casamento. Janine é casada com Ben (Bradley Cooper), um belíssimo homem que encontra uma belíssima mulher, Anna (Scarlett Johansson), pela qual se apaixona. Ele luta contra o crescente desejo por Anna, lembrando-se do compromisso com Janine, um casamento derivado de um relacionamento da época da faculdade. Anna também se apaixona por Ben, apesar do amor que um amigo cultiva por ela. Conor (Kevin Connolly), o amigo, é o encontro de Gigi que a leva a conhecer Alex.

Mary (Drew Barrymore) também aborda um fato curioso... Antes, bastava checar a secretária eletrônico e pronto... Já sabíamos que aquela pessoa não havia ligado. Hoje, temos de verificar a secretária eletrônica do celular, de casa, e-mail, Myspace...

“Ele não está...” é um filme divertido e curioso, pois nos enxergamos nele em diversos momentos, principalmente nas loucuras e excessos. Apesar de ter diversos personagens, é muito bem definido, dando o ritmo necessário para que várias histórias sobre o mesmo assunto sejam contadas de forma que acabamos por compreender o quão insanos podemos ser quando se trata de amar e ser amado.




Site: www.carladias.com
Talhe - Blog: www.talhe.blogspot.com

Comentários

Juliêta Barbosa disse…
Carla,

Você costurou tão bem a história do filme que aguçou a minha curiosidade. Vou assistí-lo.bjs
Carla, suas indicaçoes de filme sào sempre tào boas que nào sei se aguento esperar voltar ao Brasil. Talvez veja esse filme dublado em italiano. :)
Carla Dias disse…
Juliêta... Assistiu? Me diz depois o que achou!

Eduardo... Achei chique que só pensar em você assistindo o filme aí na Itália... Lendo seu blog e as crônicas aqui, tem me dado uma vontade maluca de também cair no mundo.
Cristiane disse…
Carla, seguindo sua orientação, finalmente vi este filme. Gostei, mas acho que o final "desafinou", ficou hollywoodiano demais. Mas quem não gosta de final feliz, não é verdade?! Bom, mas ainda acho que 'a regra' é aquela que se encaminha até perto do final do filme... apesar das excessões serem sempre bem vindas.

Obrigada pela indicação!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …