Pular para o conteúdo principal

BEIJO [Debora Bottcher]

Sempre foi...

Basta mergulhar o coração no vale da ilusão para enxergar um beijo do outro lado da janela. Agarra-se a um floco de neve e o derrete. Depois, dança com os pássaros do gelo, enquanto estes procuram, na essência dos galhos, um lugar para se aninhar e enfrentar a noite. É possível sentir-lhes o prazer enquanto agrupam-se em torno do afago carinhoso da madeira acolhedora - o que certamente os ajudará a suportar o frio que congela qualquer intenção, o menor gesto.

Ela olha para a imagem que se mostra através dos vidros: há um pássaro tão preto como a neve branca, e um pássaro branco mais negro que a escuridão que habita nos ramos congelados das árvores que, também indefesas, a contemplam através do invisível.

Os olhos ariscos das aves fixam-se na mulher que os olha... Brilhantes...

Há beijos de todos os tipos, cada qual com seu desejo secreto, fonte de energia - positiva ou não.

O crepúsculo vem descendo seu manto. Ansiedade... Ela passa as noites brincando de adormecer: acorda muito tempo depois para constatar que passaram-se quinze minutos, vinte, meia hora... Só um segundo...

Eventualmente, aventura-se à madrugada fria tentando acolher-se nas mãos que regem o tempo. Dirige por estradas, escuridão à frente, medo e incompreensão acenando: não sabe o que fazer consigo mesma.

Há muita gente por perto: sua alma é lenta para a alegria do mundo... Sua sensibilidade aguçada capta tudo ao redor e entrevê sombras - nada mais...

Observa o tempo avançar perdida em seus pensamentos, questionando-se, tentando encontrar o eixo. Nada faz sem pensar um sem número de vezes - e nunca tem certeza se o que está fazendo é o certo. Apesar disso, adapta-se facilmente a tudo: ter e não ter, esse lugar ou qualquer outro, essa idéia ou aquela.

É passiva - não acredita na necessidade de ser de outro jeito: a vida tem seu curso natural e ela acha que pouca coisa se pode efetivamente mudar... Só não se ajusta muito às pessoas - suas atitudes, suas palavras, suas máscaras, seus sons...

Mas há um beijo que lhe foi dado na memória e se instalou: é parte da sua história. O beijo que os pássaros carregam na liberdade de seu vôo em céu aberto: indecifrável intenção...

Agora o está devolvendo: esses seres imersos na imensidão o levarão ao destino... Não importa se há sol ou brumas, se mar revolto ou rios calmos, se silenciosos lagos ou insondáveis desertos: o infinito que se esconde por trás das asas, abarca a vastidão inteira do universo.

Ela tem uma única certeza: o beijo que brinca nas geleiras do vento, cavalgará, veloz, para pousar, sereno, no perfume de alguém... Sonhos...

Foi agora... Será sempre...

Comentários

Cristiane disse…
Débora tem um jeito de escrever de modo que suas palavras abraçam quem lê.

Um menino-homem me contou, há algum tempo, que o melhor beijo que tinha recebido na vida tinha sido um dado em seu rosto. De todas as bocas beijadas, de todos os cheiros femininos afagados, ele se lembrava com mais carinho deste beijo rápido recebido em sua face. Os lábios que desejava ter entre os seus, tocando-o ternamente em câmera lenta, num momento fugaz, ficaram registrados em sua memória.

Há beijos que são quase eternos; há beijos que são promessas; há beijos que não dizem nada... e há aqueles que tocam mais que a pele, tocam a alma de quem oferece ou quem recebe.

O beijo imortalizado nesta crônica guarda mais que segredos. Ele chegará, certamente, para onde foi enviado.

Um beijo
é, Débora, sempre hà um beijo... grato por contà-lo dessa maneira bonita. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …