Pular para o conteúdo principal

UP [Cristiane Maria Magalhães]

Quando Davi nasceu, minha irmã levou Lívia para conhecê-lo ainda na maternidade. A mãe do Davi trouxe-o até o vidro que separava a sala de espera da parte interna do hospital e ali os primos se conheceram. Lívia, na sabedoria dos seus dois anos, deve ter acreditado que se tratava de uma de suas bonecas: queria carregá-lo e cantar para ele. Na hora de ir embora, ela não se conformava em deixar o pequeno no hospital: “Minha Davi, pega a minha Davi e a tia Lulu, mamãe”, ela gritava fazendo um escândalo. Hospital é lugar de injeções e muitas outras torturas, ela deve ter pensado, pois já havia experimentado muitas delas. Como deixar ali a tia Lulu e o seu bebezinho? Desejo não satisfeito, Lívia teve que se contentar em voltar para casa sem a “sua Davi”.

Crescemos e saímos vida afora sem entender muitas coisas. Vamos seguindo no piloto automático que alguém – nunca se sabe exatamente quem – programou. Sigo sem entender como homens e mulheres, dezenas deles, se enfiam numa academia e carregam pesos repetidamente para moldar o corpo que receberam já pronto, totalmente de graça. Horas e horas perdidas para ter de volta o peso e a rigidez dos 20 anos. Que academia me devolve a inocência desta mesma fase? O avaliador físico sabe de gorduras e massas – boas e más –, mas nada me diz sobre os deliciosos amores platônicos que deixei, todos eles, antes dos meus 25 anos.

- Seu peso está ideal para a altura e não apresenta riscos à saúde, mas esteticamente precisamos remodelar alguns quilinhos. Nada que cinco dias por semana de atividade física não resolva.

Quais aparelhos de ginástica restabelecerão ao mesmo tempo a estética dos sonhos dos meus 20 anos? Quero o fogo, a emoção e as dores do primeiro amor - e do segundo e do terceiro... Será que os reconquistarei naquela sala onde as pessoas pulam freneticamente em cima de um jump? Onde se recupera a naturalidade das amizades da infância sem julgamentos, sem medos, sem preconceitos?

Ouço e vou fixando as modalidades, todas com nomes em inglês, tentando decifrar qual delas me devolverá o que perdi: jump, pump, step, spinning, gap, fitt, tem até um tal de “up local”. Ei, eu quero dar um “up” na minha memória, será possível? Espero apagar as cicatrizes das experiências geradas pelos erros e recuperar a ingenuidade que tinha quando estava na sua idade, senhor avaliador físico. Assim, vou ter de volta a coragem que preciso para me jogar por inteira e não colocar apenas os pés no raso e no transparente, como faço agora.

Ultimamente, com a iminência da chegada dos 30, foi que me dei conta que em alguma página do passado ficou perdida a minha infância, sem que eu soubesse onde nem quando. Certamente devo ter feito, também, escândalos a cada vez que tiravam “minha Davi” e foi assim que aprendi que para muitas coisas incompreensíveis não há solução. É preciso calar e seguir adiante. E se for em silêncio, sem reclamar, tanto melhor para as pessoas ao redor. Às vezes elas até nos presenteiam com afagos e cafunés se seguimos incompreendidos, mas cantando. E numa destas em que não contestei, pluft!, me roubaram a infância e o prazer de saborear uma bala de jujuba ou me lambuzar inteira com uma manga linhenta bem madura, daquelas em que o caldo escorre pelos cotovelos manchando toda a roupa.

Já que a cartilha não me deixa opção, talvez eu escolha uma modalidade de atividade física com idioma nacional, em que reaprenda a pular bem alto para conseguir ir buscar, eu mesma, aquela fruta mais madura, bicada de passarinho, que fica nas copas das mangueiras.

Comentários

Debora Bottcher disse…
Cris, querida,
Como sempre, um texto delicado que emociona e faz viajar no tempo... Realmente: quem dera se pudesse resgatar detalhes da infância, da vida, numa sessão de qualquer coisa, não? :)
Beijo enorme, bonita.
Bela crònica, Cristiane! Maravilha de humor. :)
Cristiane disse…
Obrigada Debby, obrigada Eduardo =)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …