Pular para o conteúdo principal

O CONHECIMENTO DO AMOR
>> Eduardo Loureiro Jr.

Amar é querer conhecer e dar-se a conhecer. Por isso durante a paixão, que pode ser o início do amor, os enamorados fazem-se tantas perguntas e recontam a própria vida como se estivessem ditando sua biografia para um ghost writer. Se os primeiros momentos do amor são tão encantadores, é justamente porque as duas pessoas são um mundo novo, vasto e inexplorado uma para a outra.

E assim poderia continuar por toda a eternidade se... a gente não matasse o amor.

O amor começa a morrer quando perdemos a vontade de conhecer ou paramos de nos revelar. Normalmente acontece quando achamos que já conhecemos o outro suficientemente e, daquele ponto em diante, já podemos emitir um bom julgamento sobre ele, já podemos mesmo dizer o que ele pode mudar para ser melhor. Substituímos o mundo novo, vasto e inexplorado por um mundo exaurido, pequeno e envelhecido. Até mesmo as perguntas que fazemos não têm mais o próposito de conhecer, mas de verificar se o outro continua sendo do jeito que a gente pensa ou quer que ele seja.

Também pode acontecer do amor começar a morrer quando damos nós mesmos por prontos. Quando não encontramos, em nós mesmos, nada que pareça ser digno de ser compartilhado. Então paramos de nos dar a conhecer, repetindo para o outro sempre a mesma versão de nós mesmos -- ou ficando em silêncio.

O nascimento e a morte do amor são mais visíveis numa relação entre duas pessoas, mas pode se dar com um animal, com um livro, com um assunto, com um hobby... No meu caso, está acontecendo com uma cidade: Firenze.

Passei quatro semanas em Florença e quanto mais a conhecia mais tinha vontade de conhecê-la. Saí ontem de lá, e há uma dezena de lugares que eu vi só de passagem e gostaria de entrar, pessoas que desejo conhecer, comidas que quero provar... Vontade também de me dar a conhecer, de me fazer amigo, de escrever, de conviver... Amor em seu mais belo início.

Com as cidades, penso que sou um amante mais esperto do que com as mulheres. Não sou afoito, não quero conhecer tudo o mais rápido possível. O Rio de Janeiro, por exemplo, essa maravilha também apaixonante... Só fui conhecer o Cristo Redentor lá pela minha quarta visita à cidade, coisa que qualquer turistinha de meia-tigela faz logo no primeiro dia.

Deixei muito pra ver em Firenze. Deixei abertas as portas do amor. À distância, vou cultivando o pouco que conheci. Qualquer dia desses, qualquer ano desses, retorno e amo um pouco mais, pergunto um pouco mais, me mostro um pouco mais.

Florença é uma cidade que dá vontade de pedir logo em casamento -- linda, simples e inteligente --, mas eu vou que vou com calma.

Mais notícias de Firenze e da Itália no meu blog de viagem.

Comentários

Juliêta Barbosa disse…
“Deixei muito pra ver em Firenze. Deixei abertas as portas do amor. À distância, vou cultivando o pouco que conheci. Qualquer dia desses, qualquer ano desses, retorno e amo um pouco mais, pergunto um pouco mais, me mostro um pouco mais”.

Que belo texto, Eduardo! Pena que irreal.
Ah, como seria bom se pudéssemos fazer com as pessoas o que você pode fazer com Florença. Visitá-la “qualquer dia desses, qualquer ano desses, e amar um pouco mais”.

O amor ‘cultivado à distância’ não permite o assombro que é amar verdadeiramente apesar de: da rotina, da mesmice e do lugar comum. Sem esse amor estamos todos perdidos porque vamos ter que inventar um novo personagem a cada dia para nos sentirmos amados e valorizados.

Depois de você voltar inúmeras vezes à Florença o que sobrará desse amor?

Talvez o conhecimento do amor esteja em abrirmos mão do nosso narcisismo, da nossa vaidade exacerbada, para enxergarmos o outro não como uma extensão nossa, mas como um ser falível e por isso mesmo, demasiadamente humano. Que é o que, afinal, somos todos nós.
Ah, Eduardo! Que viagem apaixonante deve estar sendo essa sua! Como você disse, vá com calma, porque o amor precisa de cautela e assim mesmo, ele nos arremessa, sem piedade, contra nossas mais convictas razões. :)
C. S. Muhammad disse…
Adorei a analogia. Acho também que esse amor deva ser saboreado em pequenas porções.
Ah, Juliêta, "qualquer maneira de amor vale a pena". :)

Marisa e Carla, podem deixar que calma é comigo mesmo. :)
Carla Dias disse…
Eduardo,
Deu vontade de fazer as malas e ir conhecer o seu amor.
Que belo texto o seu... Para Firenze e também para quem gosta de olhar bem de perto o amor, descobri-lo nesse andamento de samba canção.
E aí, Carla, já fez as malas? :)
Ana disse…
Belíssimo texto...
É preciso calma para se conhecer devagar, para se apaixonar aos poucos, para amar sem afobação, para esperar o amado chegar.
Inspirador... e reconfortante.
Assim, o que poderia ser desesperança torna-se um prelúdio; o inalcançável, poesia.
Grata por esse novo modo de olhar que você me trouxe.
[]s,Ana - a que espera.
Ana disse…
A propósito, linda foto...

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …