Pular para o conteúdo principal

LIMITES.COM [Maria Rita Lemos]

Uma das queixas mais freqüentes dos pais e educadores, quando se refere à utilização do computador pelos filhos (crianças e adolescentes), diz respeito à dificuldade em colocar limites. Principalmente quando se trata de utilização da Internet, a geração jovem parece flutuar, mais que navegar, nas ondas mágicas que a leva aos mistérios do mundo cibernético, e tudo o mais fica esquecido: horários, outras atividades, obrigatórias ou não, convivência familiar; até mesmo cuidados higiênicos e alimentação parecem ser relegados a segundo plano.

Há uma atração quase inexplicável que toma conta de nossos adolescentes (e de muitos adultos também, sejamos francos) quando eles descobrem a magia das salas de bate-papo, dos blogs, do orkut e de outros canais de relacionamento. Nesse ambiente discreto e aconchegante, sem sequer precisar trocar de roupa nem depender de horário, pode-se continuar as conversas que começaram na escola e a saída interrompeu; pode-se conhecer gente de todas as partes do mundo, conversar, namorar, e até ir além disso, com os recursos de câmeras, microfones, etc.

Diante de uma rival tão poderosa e sedutora quanto a Internet, a imposição de limites por parte dos pais e educadores, embora imprescindível, é sempre muito desgastante, e cria problemas crônicos e desagradáveis no relacionamento familiar, sobretudo entre pais, mães e filhos(as). Pesquisas recentes, feitas aqui mesmo no Brasil, dão conta de que algumas crianças e adolescentes passam de seis a oito horas diárias diante do computador, e isso acarreta problemas na escola, como sono, falta de atenção, dispersão, desinteresse.

Também na convivência familiar os problemas se estendem: não há mais diálogo, os cuidados higiênicos e os horários de alimentação começam a ficar prejudicados - no ponto em que o adolescente não mais se alimenta adequadamente, preferindo fazer refeições rápidas diante da telinha.

Para entender esse aspecto do conflito pais X filhos, acredito que seja importante passear um pouco no passado, mais especificamente nos anos setenta, quando a busca pela liberdade sexual, o advento da pílula anticoncepcional, o movimento "hippie" e a generalização das drogas começou a influenciar as mudanças comportamentais da família. Todos essas novas formas de vivência, aliadas às mudanças de configuração familiar, talvez tenham sido confundidas com uma mudança de valores. Diante de tantas novidades, pais, mães e educadores(as) sentiram-se perdidos; perdemos, nós mesmos, os limites.

Quando falamos que nossos filhos não têm limites, que não conseguimos estabelecer limites, esquecemo-nos de que também nós não os temos: compramos compulsivamente tudo o que nos é empurrado como necessidade, ficamos prostrados diante da TV depois de um dia em que também trabalhamos mais do que poderíamos ou deveríamos; isso também nos impede de brincar ou conversar com os filhos, não encontramos tempo para ouvir nossas crianças e adolescentes, e, diante desse cenário, compensamos com ovos de Páscoa cada vez maiores e mais recheados, os últimos lançamentos de brinquedos e video games, etc.

Enfim, somos pais e mães sem limite, queixando-nos de que não conseguimos estabelecer os mesmos limites que não temos. Não queremos autoritarismo, longe de nós sermos ditadores e "coronéis", mas quando já não sabemos o que fazer temos duas saídas opostas: ou "deixamos para lá" (isto é, nossos filhos venceram pelo cansaço) ou arrancamos o fio da tomada e, pronto, estamos conversados (estamos mesmo?).

Minha amiga Lúcia contou sua experiência, que passo a meus leitores (as) porque também a adotei, e parece estar surtindo resultado. Lúcia, como todas as mães e pais de filhos "informatizados", sofria com a rebeldia de sua filha adolescente, Priscila, igual a todas as outras, ou pelo menos à maioria quase absoluta, que não aceitava as regras e limitações de horários e "sites"seguros. Por sua vez, Lúcia, ao chegar do trabalho, deu-se conta de que também ia para seu próprio laptop e dedicava horas seguidas à sua tese de mestrado. O primeiro passo, para reeducar mãe e filha, foi dado: minha amiga passou a limitar o seu tempo e o de Priscila no computador. No tempo que sobrou, começaram a fazer coisas juntas: jogar damas, ver filmes escolhidos por ambas... No entanto, quando a jovem estava no bate-papo e o horário de dormir chegava, começavam as frases de sempre: "peraí", "só um minutinho" (que se transformavam em horas), etc. Nessa altura, Lúcia descobriu que poderia programar o computador, como se faz com a TV, para desligar automaticamente a um determinado horário, e então Priscila passou a ser avisada pela telinha: "seu computador será desligado em cinco minutos". Pronto. Era o tempo suficiente para ela se despedir de todos (as) no MSN, sem grandes crises.

Da mesma forma, minha amiga programou o micro para funcionar a partir de determinado horário, que coincidia com o final do jantar, o que eliminou seu uso durante o dia. Começou a sobrar tempo para socialização com a família, para ler, sair com amigos(as), estudar, etc.

Se você se interessou por esse método, o endereço da empresa que o implantou é limites.trait.com.br. No entanto, já vou avisando, como avisei Lúcia também: pessoalmente, eu tentei entrar e a página não abriu... será que algum(a) adolescente andou mexendo por lá?

Independente dos bloqueadores externos, nada pode substituir nossa responsabilidade, como pais e mães, de estipular o que é bom ou não para nossos filhos. Ninguém nem nada pode fazer o nosso papel no momento de estabelecer as limitações em tudo na vida deles. Só assim faremos a nossa parte em promover o desenvolvimento de adultos felizes e responsáveis, bons administradores de suas vidas. Além disso, estaremos educando nossos jovens dentro da modernidade, sem abrir mão de ferramentas como o computador e a Internet, que abrem caminhos para os relacionamentos saudáveis, o intercâmbio e o conhecimento de tudo o que se passa no mundo.

Comentários

Belo texto, Maria Rita. Muito bem construído. E uma argumentação bastante sensata.
Anônimo disse…
Obrigada, amigo. Um elogio seu é muito importante para mim.
Abraço, meu melhor.
Maria Rita

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …