Pular para o conteúdo principal

VAMOS APRENDER >> Clara Braga

Estou acompanhando todas as notícias sobre o coronavírus e respeitando todos os alertas de isolamento social possíveis. Mas confesso, precisei fazer feira.

Não estou me sentindo mal, não apresento qualquer sintoma, então segui a recomendação de deixar as máscaras para quem realmente precisa e fui na cara e na coragem. Bem pouca coragem e até um tanto grande de culpa, pois sei que a recomendação é mesmo para ficar em casa.

Fiz uma lista prévia para ir direto onde eu realmente precisava e poder voltar o mais rápido possível! Quando parei para comprar frutas, peguei minha garrafinha de água na bolsa e bebi um gole. A sede estava grande, tinha ido a pé no calor forte das 11h.

No último gole, a danada da água decidiu descer pelo buraco errado e me deu uma vontade enorme de tossir. Segurei o quanto pude, nessa altura meus olhos já estavam lacrimejando e eu me afastava o máximo que podia das pessoas da feira, mas sem pressa, para não fazer alarde.

Quem precisou andar nas ruas esses dias sabe que qualquer movimento estranho é suspeito e uma tossida é o suficiente para te olharem como se você fosse a personificação do vírus.

Quando eu estava chegando no meu limite, um homem do outro lado da barraca das frutas espirrou sem pudor. Ele logo virou o centro das atenções, pude ver que a moça que estava perto dele se afastou rapidamente. Uma outra tentou ser discreta, mas eu vi seu olhar de susto e julgamento para o homem que não pensou nem em colocar o braço na frente do rosto. O dono da banca sacou rapidamente um grande pote de álcool em gel e distribuiu por todas as pessoas que estavam escolhendo suas frutas. E eu, consegui dar a minha tossida e desengasgar da água sem me tornar o alvo da feira.

Deveria agradecer o homem que espirrou, mas confesso que depois que minha situação passou, acabei me juntando ao grupo dos que o julgaram. Não que ele esteja com o vírus, mas será possível mesmo que nessa altura do campeonato ainda temos que ensinar uma pessoa que não tem menos de 2 anos que ao espirrar ou tossir nós devemos cobrir a boca? 

Vou correr o risco de soar extremista, mas se não fazemos o básico do convívio social, vamos precisar passar por vários vírus para aprendermos da pior forma possível aquela que deveria ser a lição mais básica da vida: se vivemos em sociedade, temos que cuidar uns dos outros o tempo todo.

Comentários