Pular para o conteúdo principal

A TAL MATERNIDADE REAL >> Clara Braga

Quando engravidei tive preocupações que hoje percebo serem besteira diante da complexidade da maternidade. Por exemplo, nunca tinha trocado uma fralda na minha vida, e tinha medo de quando esse momento chegasse.

Bom, o momento chegou e a primeira coisa que eu pensei foi: nossa, que simples! Qualquer adolescente que já ficou sozinho em casa na hora do almoço e precisou fazer um miojo consegue olhar as indicações, descobrir o que é frente e o que é parte de trás da fralda e trocar.

Também tive um receio bobo de que meu filho pudesse não gostar de mim, mas aí descobri que essa fase chama-se adolescência e que se eu começasse a me preocupar com isso agora estaria sofrendo por antecipação, e sabemos que isso não é bom!

Enfim, várias outras questões que hoje não penso mais sobre, faziam parte constante das minhas inseguranças. Hoje, as dúvidas e inseguranças já são outras e já são um tanto mais complexas, vou dar dois exemplos: como vai ser o dia que ele for para a escolinha? Ou então: Será que terei estômago para acompanhar o primeiro exame de sangue?

Tomara que em um futuro não muito distante, eu descubra que essas questões também são tranquilas e não deveriam tirar tanto tempo do meu sono. Porém, devo confessar, tem uma dúvida que fica na minha cabeça quase diariamente e, embora eu já tenha visto várias pessoas comentando o assunto, não parece existir uma resposta certa: quando vou conseguir voltar a ir ao banheiro sozinha? Será que não existe privacidade após o parto?

Comentários