Pular para o conteúdo principal

SÁBADO EM SÃO PAULO >> Sergio Geia



Ela buscava Jonatas, mas também Glinda e Elphaba; ele não queria saber de Glinda nem de Elphaba, muito menos de Jonatas, mas nós queríamos saber dele. Foi com esse arranjo de ideias que partimos.
Antes de pegar a alça de acesso à Ponte das Bandeiras, o automóvel foi apanhado por uma chuva dilacerante; até então eram apenas uma ameaça o céu escuro, o vento, as previsões. No entanto, tão logo a máquina avançou marginal adentro, uma montanha de água nos sacudiu, invadindo ruas, criando piscinões, aprisionando-nos num asfalto encharcado e triste. Os sinais pararam de trabalhar, a Avenida Tiradentes virou terra de ninguém.
Ao receber os cartões, já no hotel, descobri que o senhor recepcionista também estivera metido no aguaceiro. Foi o que disse quando mencionei acerca da batalha hercúlea pra conseguir vencer a chuva. Falou-me que em alguns pontos da cidade não chovia, mas que em outros o temporal castigava e impedia o movimento natural.
À noite, comemos um bom lanche na Cesário Motta, ainda debaixo de muita garoa e não menos apetite. Depois pegamos um táxi e seguimos até o 411 da Brigadeiro.
O tempo... O tempo que passa não passa depressa. O que passa depressa é o tempo que passou, diria Vergílio. Ele e ela... Vendo-os agora, lembrei-me desse tempo, dos desarranjos, de mamadeiras, fubás e dos folguedos infantis; o tempo que nos fez compreender que o viver a partir de então ganhara outra dimensão, noviço sentimento nascia e a cada estação só faria ganhar mais espaço em nosso confuso e emaranhado mosaico de emoções.
Tempo que transforma o mundo, a vida, as pessoas. E que todos os dias se encarrega de lançar humildes servos das letras às felizes lembranças de outrora, às auroras primaveris; que faz jubilar o presente, que glorifica andanças, que preconiza efêmeras luzes de satisfação, e conquistas miúdas de pequenas criaturas que sonham embriagar-se na parcela de belo que o mundo tem a oferecer.
Em Pequenos Poemas em Prosa, Baudelaire diz que “é necessário estar sempre embriagado. Tudo está aí: é a única questão. Para não se sentir o horrível fardo do Tempo que quebranta os vossos ombros e vos curva em direção à terra, deveis vos embriagar sem trégua. Mas de quê? De vinho, de poesia ou de virtude, como quiserdes. Mas embriagai-vos”. Pois embriagar-se é o que há; à bebida, caros amigos, à bebida e ao encontro mágico com seu pedaço de felicidade.
Digo-lhes que felicidade foi o que a mim chegou assistindo sua face repleta de brilho; ela a encontrou na Brigadeiro, não em Jonatas, mas em Fiyero; eu mesmo saí de lá embriagado de enorme beleza; apaixonara-me não por Glinda ou Elphaba, mas por Fabi e Myra. No fim, o belo nos encharcou de alegria e não a chuva; saímos de lá embriagados.
Domingo, almoçamos bem num restaurante na Avanhandava; lembro-me do garçom, após a refeição, a nos instigar ao encontro com a mousse dos deuses: “degustem, não vão se arrepender” e depois... 
Dou-lhe um abraço de despedida. Ele segue sua marcha na direção da Caio Prado. Paro um instante para colocar uma blusa e vejo-o atravessando a Augusta. O coração dói. Há dezenove anos um guri. Hoje, homem e homem que solto, desbrava a metrópole, sem medo, sedento de belo.
Ela segue comigo; ainda. Feliz com seu cordãozinho comprado de um boliviano na Paulista.  

Ilustração:  Cliquetando

“O tempo que passa depressa...” Vergílio Ferreira

Comentários

Cristiana Moura disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Cristiana Moura disse…
Quero embriagar-me " na parcela de belo que o mundo tem a oferecer". Sim...
Zoraya disse…
Sérgio,vc anda impossível. Tirar poesia de um dia de chuva em S. Paulo é covardia!
sergio geia disse…
Grato, Cris. Pois é, Zoraya, ontem o caos; hoje, poesia.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …