Pular para o conteúdo principal

MEMÓRIA >> Carla Dias >>


Hoje é hoje. Que outro dia seria? Não importam as manchetes, as casas de alvenaria, os cubículos e seus códigos postais. Hora de bater cartão já passou, assim como o momento de reescrever histórias falidas.

Recomeços são para histórias sem ponto final.

Mas hoje chega com esse gosto de saudade voluntariosa.

Treinou tanto, dedicou-se muito, foi além da conta para alcançar esquecimento. Ainda assim, hoje é hoje. Que outro dia seria? Daí que toda lógica que atribuiu à própria vida, aquela que vem conseguindo manter elegantemente, desmancha-se diante de uma lembrança acontecida em outro dia, que não hoje. Foi há muito tempo, mas parece que esse tempo é agora.

Só que hoje traz essa coisa de calendário, de celebrar isso ou aquilo, esse ou aquele. Por que diabos nasceu com essa memória seletiva, que pouco se importa com datas significativas para o coletivo, com as vedetes de calendários?

Lembra-se dos pormenores, aqueles detalhes que não se encaixam nos grandes acontecimentos que influenciam a muitos, ao mundo. Nos quais, talvez, ninguém mais tenha prestado atenção.

7 de agosto de 1977
A forma como seus avós se abraçaram, após saberem do falecimento da Lurdes, a cadelinha que os acompanhou por mais de década. Foi abraço de quem se ampara no desamparo do outro e, de uma forma muito intrigante, encontra ali, naquela tristeza profunda, um bálsamo, a esperança de que tamanha dor irá abrandar.

9 de janeiro de 1985
A forma como seus avós se abraçaram, que lembrou muito a de anos atrás, só que com desamparo e desespero amplificados. Foi o dia em que o filho deles faleceu. Seu pai.

11 de março de 1990
A forma como um poema remexeu seu dentro como ninguém e nada fizera antes. Durante dias, não saiu de casa, não falou com amigos, não aconteceu em qualquer quesito. O silêncio foi profundo, a caminhada, pelos cômodos. Encantou-se pelo esvoaçar da cortina do quarto. Chorou, gargalhou, aquietou-se. Transcendeu.

22 de abril de 1992
A mão pequena e fria, de pele macia, encontra abrigo na sua. Espanta-se, mas consegue conter o espasmo provocado pelo susto e render-se ao deslumbre de segurá-la pela mão. O olhar dela disse amabilidades e afeto. O encontro durou a mudança do semáforo. A mãe da menina, em puro desespero, arrancou-a daquele segurar a mão. Deu bronca na menina, que começou a chorar miúdo, magoada por ter visto no segurar mão desconhecida um gesto natural.

Por que não se lembra somente dos dias que importam a muitos?

2 de julho de 1994
A mão lhe tocando o rosto como prefácio de desfecho desejado durante meses. A sensação arrebatadora de que o desfecho-beijo foi um milhão de vezes mais significativo do que aquele do roteiro imaginado.

15 de fevereiro de 2000
Os dedos do amigo a se enroscarem nos cabelos da namorada. Ela e seus cabelos negros e encaracolados. Ele e sua pele pálida. Era como se tal gesto de carinho desenhasse futuro nos cabelos dela. Sentiu-se feliz por eles. Sentiu-se feliz por saber que, nos minutos seguintes, o amigo se sentiria ainda mais feliz, porque a amiga lhe confidenciara que o pediria em casamento. Ele aceitou sorrindo e chorando ao mesmo tempo.

28 de setembro de 2008
Finalmente, cantou sua música preferida, assistindo ao show de sua banda preferida.

Poderia falar sobre muitas datas que nada representam a qualquer outra pessoa. Dedicou-se tanto, fez de um tudo para regrar essa sua memória. Pensou que tivesse conseguido. Mas ela insiste em trazer à tona um calendário de afetos e desapontamentos, de conquistas e perdas. Um emaranhado de percepções confidenciais, confiscadas de olhares atentos ao que vem depois do óbvio.

Hoje é hoje. Que outro dia seria?

Anota compromissos em sua agenda, discute futuros projetos, ocupa seu tempo. Ainda tenta educar sua memória, mas acontece que a tal é de rebeldia escancarada. Entre uma anotação e outra em calendário do dia...

20 de julho de 2012
Então... A lua...


Imagem © Caspar David Friedrich

carladias.com

Comentários

Que lindeza de calendário, Carla! :)
Carla Dias disse…
Calendários sempre me confundem... De um jeito melhor do que o esperado. Beijo, Eduardo.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …