Pular para o conteúdo principal

DIA DO ROCK >> Carla Dias >>

Hoje celebramos um merecedor de celebrações, o bom e velho Rock. Conheço algumas pessoas que se dizem avessas a ele, mas que já citaram, em alguma situação em que insinuaram gostar mais do que desgostar de algo, It’s only rock’n roll but I like it.

A primeira banda da qual participei era bem rock and roll. Aos meus companheiros de jornada, devo o mergulho para o conhecimento do gênero, que eles me apresentaram uma série de gente boa da música. Lembro-me de passar horas no quarto, escutando os discos que eles me emprestaram, tentando compreender o motivo de tanta fascinação. Veja bem, escutar Hocus Pocus, da banda holandesa de rock progressivo Focus, pela primeira vez, foi um atiçador de sentidos.

Havia, ainda, o repertório que fui conhecendo ao ter de tocá-lo. Made in Brazil, Casa das Máquinas, Rolling Stones, Little Richard e por aí vai. Aquela banda foi uma escola para mim, não apenas como instrumentista, mas como ser humano aberto às descobertas musicais.

Uma das histórias que mais me marcaram, em tempos de banda e rock and roll, foi de um evento no qual tocamos. Um amigo dos meninos arrumou esse show que contaria com apresentações de várias bandas. Nós decidimos participar, mas não tínhamos ideia do que encontraríamos. Veja bem, éramos uma banda de rock and roll, bem na boa, e entramos nesse lugar repleto de punks. Quando olhamos ao redor, pensamos que não daria certo.

A grande questão, naquela época, é que havia uma séria rixa entre punks e roqueiros. Sentimos um pouco o peso dessa rixa ao entrarmos naquele lugar. Pensamos em não tocar, mas o amigo dos meninos, um cara muito bacana, nos convenceu de que estava tudo certo, apesar dos olhares punks sobre nós.

Subimos ao palco certos de que seria bem complicado, mas nos surpreendemos. Eles não apenas gostaram, mas também foram muito gentis conosco, depois de perceberem que, para nós, aquela rixa não fazia sentido, e que só queríamos tocar rock and roll.

Eu não sei o que para você significa o Rock. Para mim, significa a descoberta da liberdade de ser e a abertura para conhecer. Sempre duvido de quem torce o nariz para ele. Normalmente, cinco minutos depois a pessoa já entregou de que gosta sim de rock, só não o chama pelo nome. Sabe como? Acontece o mesmo com a poesia... A pessoa diz que não gosta de jeito nenhum, mas então comenta uma citação linda que leu em um muro da cidade, em uma postagem em rede social, ou que escutou alguém dizer.

Sim, é apenas rock and roll. Sim, eu gosto. Ok, não é apenas. É preciso compreender que o Rock é mais do que música. É um universo de sons e comportamentos. É uma manifestação musical e cultural. Mas como não sou especialista no assunto — e conheço muitos especialistas no assunto —, decidi escrever sobre o que realmente conheço: o meu gostar do Rock.

Um ótima celebração para nós!


Comentários

Carla, fui ouvir o Hocus Pocus. Que viagem! Muito legal. :)
Este comentário foi removido pelo autor.
O universo da música é infinito. Adoro garimpar raridades no YouTube (aliás, a única coisa do YouTube capaz de me atrair). Melhor, ainda, quando me deparo com uma tutora cheia de pistas e dicas surpreendentes. É o lado bom das redes. Vou pesquisar. Sensacional!
Carla Dias disse…
Não é demais, Eduardo? Nunca vou me esquecer desse momento. :)

O universo da música é fantástico mesmo, André. Também gosto de garimpar raridades e novidades no YouTube. Tem muita gente boa por aí.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …