quinta-feira, 14 de julho de 2016

PRECISA-SE DE GENTE ANTIPÁTICA >> Analu Faria

Ir atrás dos seus direitos é um troço de gente antipática. Pelo menos é o que pensa um usuário de um fórum público de discussão no qual entrei dia desses. O "deixa de ser antipático" é a versão século XXI do conceito de "homem cordial".

Era um fórum sobre direito do consumidor, área na qual atuo hoje. Um leitor perguntava se o dono de uma academia tinha direito de recusar o pagamento em dinheiro. Pelo que entendi, o tal dono só aceitava cartão de crédito. Logo depois da pergunta, havia vários comentários apagados, de um tal de Eduardo, seguidos de uma resposta do leitor, que dizia mais ou menos: "Desculpa se minha pergunta te ofendeu, mas eu só estou tentando entender que direito tenho." Daí o Eduardo solta uma resposta bombástica: "Ser antipatizado é escolha de cada um."

Meu Deus, é isso! Acabo de resolver uma grande equação existencial! Eureka: eu sou antipática! Eu nasci antipática. O anjo da antipatia visitou meu berço quando eu era bem pequena e disse: "Serás antipática até umas hora. Beijo." Eu respiro ar antipático. Eu como pão de antipatia, com manteiga extra-antipática. Na minha testa deveria estar escrito "Cuidado, sou antipática". Aliás, eu deveria me apresentar como a Miss Antipatia: eu quero processar o cara que bateu no meu amigo só porque meu amigo é gay. Eu quero Bolsonaro na cadeia. Eu quero poder denunciar o cara que parou com seu carro nas vagas destinadas a motos e mandou ir à merda a motociclista que o pediu para sair do local (será que mandaria à merda se fosse um homem dirigindo a moto?). Eu quero que o mundo saiba, nestas Olimpíadas, que nós, carinhosos brasileiros, não damos o assento a grávidas e idosos. Gente, eu sou antipática!

E já que eu me assumi, convido a todos a serem antipáticos também, igual ao meu amigo que, apesar das humilhações na delegacia, foi até o fim e denunciou o agressor. Ou igual ao procurador que fez Bolsonaro virar réu em duas ações no STF. Gente, vamos ser antipáticos "que nem" a mulher que tirou o celular da bolsa e, diante da recusa do motorista em tirar o carro da vaga de motos, começou a tirar fotos do carro e, ao final, ligou para a polícia! Sejamos superantipáticos como a grávida que saiu do metrô possessa e apontou ao repórter o grupo de garotos que fingiu estar dormindo para não dar lugar a ela! Vamos ser antipáticos, galera! Vamos criar a grife "Le Antipatique" e, junto com o amor, espalhar antipatia pelo mundo. É só começar! Vamos juntos?


Partilhar

3 comentários:

Eduardo Loureiro Jr. disse...

Eu até gostaria, Analu.
Mas acho que minha preguiça é maior que meu desejo de antipatia. :)

Analu Faria disse...

Você é definitivamente um simpático, Eduardo! :)

André Luiz Ferrer Domenciano disse...

O mundo das Polianas já terminou. Creio eu, em alguma daquelas datas profetizadas para o "milênio". Belo texto Analu.