Pular para o conteúdo principal

NÓS E O MUNDO >> Carla Dias >>

Fica cada vez mais difícil não se desapontar. Não falo sobre desapontamento básico, daqueles que figuram na vida da gente como trampolim para aprendizado. Falo sobre um desapontamento substancial, daquele que nos faz parar e pensar: onde iremos parar?

De padre sendo degolado às manobras para conter a imigração desencadeada pelo desespero. Das ofensas constantes aos desconhecidos à aniquilação de benefícios básicos aos que, por conta e risco, jamais os alcançariam. Pessoas jogando eu sou melhor do que você.

Será?

Às vezes, torna-se uma jornada complexa se levantar e encarar o mundo. É tanto desamparo, e muitas observações a respeito do outro e não a respeito de si. Estamos afastando de nós a responsabilidade pela decadência da humanidade, mas somos os autores dela. Alimentamos essa decadência a cada vez que violamos o direito do outro de ser, de estudar, de ter casa e comida na mesa. Quando, em vez de pensarmos a respeito da situação que encaramos, saímos discursando intolerância. O outro nem sempre está errado. Pode ser que ele não caiba no seu entendimento, que aquela não seja a vida que você deseja. Mas, e daí? A vida é dele, certo?

A sua vida é sua.

Lembro-me de algumas senhoras da minha infância. Eram carolas, que nunca faltavam à missa, que mantinham seus santos em altares em suas casas, que também eram pontos de parada da procissão. Eram devidamente casadas, algumas cuidavam de seus netos, e estavam sempre envolvidas com projetos sociais.

Olhando mais de perto — o que tive a oportunidade de fazer —, elas não eram boas pessoas, como a maioria pensava ao observá-las assim, a distância. Lidavam com Deus porque foram educadas para fazê-lo, senão iriam direto para ao inferno. Frequentavam a missa pelo status de devotas, recorriam aos santos com pedidos absurdos. Em dia de procissão, disputavam para ver quem decorava melhor a entrada de casa. Para escolher os beneficiados pelos projetos sociais dos quais cuidavam, eliminavam aqueles que julgavam pecadores sem chance de serem perdoados por Deus, o que incluía os mais miseráveis, negros, gays, e por aí vai.

Lembro-me dessas senhoras e percebo que elas são o retrato do mundo. Enquanto observarmos os acontecimentos com essa distância, seremos incapazes de compreender que a maioria das decisões, sejam políticas, sociais ou pessoais, tem sido feita sem observar aqueles que realmente precisam dos resultados delas.

Enquanto não observarmos o mundo, e tudo o que pontua nossa realidade, sem nos antecedermos e decidirmos o que é certo e o que é errado, cometeremos o mesmo erro das tais carolas. Atenderemos a uma agenda na qual não fomos nós que incluímos os eventos, por pura obrigação. E no processo, seremos cruéis, por mais generosos e beneficentes que sejamos na nossa rotina de cidadão que não é do mundo, mas do seu próprio e egoísta universo.

Há dias em que é realmente difícil se levantar e encarar o mundo. Mas continuo otimista, que acredito na parcela de pessoas que já compreendeu que faz parte dele, e que escolheu cuidá-lo.

Há coisas maravilhosas acontecendo por aí. Não é mesmo?

carladias.com

Comentários

Sim, Carla, há coisas maravilhosas acontecendo... :)
Carla Dias disse…
Amém a isso, Eduardo. :)
Cristiana Moura disse…
Há sim, dias difíceis de encarar - carência de empatia e tolerância. E há coisas maravilhosas, tanta arte a nos salvar. Teus textos a nos salvar...
Carla Dias disse…
Cristiana, então, salvamo-nos. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …