Pular para o conteúdo principal

INSTINTOS AMEBIANOS >> André Ferrer

Abraham Maslow (1908-1970) foi um psicólogo norteamericano. Seus estudos dizem respeito aos conflitos entre comunidades culturalmente distintas.  Por conseguinte, ele propôs uma hierarquia das necessidades humanas, a famosa Pirâmide de Maslow, em cuja base estão as necessidades fisiológicas (respiração, alimentação, sexo, etc.) e, no topo, a autorrealização humana (autonomia, moralidade, trabalho criativo, etc.).

Maslow é arroz de festa no Data Show de quem estuda e ensina Humanas. Portanto, não é um Maslow na íntegra e em profundidade, mas a Pirâmide de Maslow, um signo, um ícone, enfim, uma representação bastante superficial e conveniente de Maslow, que tem presença garantida nas aulas. Ou melhor, nesses verdadeiros jorros de tópicos que se acostumou, nas últimas décadas, a chamar de aulas.

Maslow trabalhou na Universidade de Cornell e no MIT. O pesquisador se debruçou, por exemplo, na difícil convivência entre negros e judeus. Um dos motivos pelos quais a ideia de que o trabalho do psicólogo (bem como de inúmeros outros importantes pensadores) é, simplesmente, resvalado nas nossas escolas e, ainda assim, de acordo com uma flagrante agenda ideológica.

Cornell. MIT. Harvard. Yale. A primeira coisa que vem à mente é a excelência. Por dentro e por fora: a excelência. Faz-se o elogio dela tanto no espírito como na boa aparência. Tweed. Black tie. Heráldica. Em tudo, vive o orgulho explícito de se pertencer a um grupo distinto. A era dos andrajos, mental e corporal, ficou, bem lá atrás, na adolescência. Algo diametralmente oposto ao elogio da pobreza que desfila nos campi das melhores universidades brasileiras.

Questão de se olhar no espelho, pensar em Maslow (ainda que apenas na sua pirâmide) e decidir se o espírito universitário combina com a vestimenta de quem se deixa aprisionar por instintos amebianos.

Comentários

Zoraya disse…
André, contundente, afiado, sucinto. Perfeito.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …