Pular para o conteúdo principal

SÓ ACHO >> Mariana Scherma

Eu acho que você anda lendo pouco e sendo ignorante em todas as suas publicações. Quando você se refere à presidenta Dilma, eleita pela maioria do povo, de vagabunda, você perde qualquer direito de retórica. Você também me faz começar a pensar em unicórnios nessa hora, porque eu não vou perder meu tempo discutindo com quem gosta de ser ignorante. A verdade é que você fica no rasinho da discussão política e acha que todo o mal envolve só o PT. O PT fez cagadas, sim. Mas você fez mais e mais fedida ao apoiar um governo só de gente corrupta.

Eu acho que você, pessoa da classe C, D, E... Z, não está percebendo que este governo ilegítimo não foi pensado em você. Diminuição do SUS. Cortes no Minha Casa, Minha Vida. Mensalidades para universidades públicas. Passaportes diplomáticos para pastores. Cortes na Educação. Se você tem casa própria e plano de saúde, desculpa, mas se não tem... Repense. Você não está sendo nada beneficiado. Andam fazendo no governo uma festa estranha com gente esquisita. A verdade é que eu não tô legal e preciso de birita pra aguentar.

Eu acho que você não sabe da missa um terço quando desdenha do Ministério da Cultura. Você critica o fato de a então namorada do Chico Buarque ser beneficiada, assim como a Claudia Leitte, mas sabia que Lobão (desnecessário, porém...) e o instituto FHC também já foram beneficiados? E vamos combinar que eles não têm nadinha a ver com PT, até porque nunca existiu gente mais de direita que esse povo. Você diz que o Brasil não tem e não precisa de cultura, mas quem não tem e parece não querer é você mesmo. Não me coloque no mesmo barco (furado) que você.

Eu acho que você não sabe que seu querido presidente ilegítimo, Michel Temer, é ficha-suja e está inelegível pelos próximos oito anos. Temer fez doação ilegal, como pessoa física, mas, ainda assim, pode assumir a presidência. Ele é nosso primeiro presidente ficha-suja, sabia? Que coisa. Você, essa pessoa que saiu às ruas de verde e amarelo, aceita isso? Nosso presidente em exercício não parece melhorar sua imagem ao dizer que a mulher é advogada e merece assumir um cargo. Marcela Temer não consta na lista de aprovados da OAB. Mas sei lá, né? Mal temos mulheres nesse governo. Deixa ela, não sei se tem como piorar.

Mas eu só acho. Ah, também acho que seu ódio pelo governo do PT é localizado. Você não odeia a corrupção, você sabe bem conviver com a corrupção, caso contrário continuaria se manifestando contra esse novo ministério sujo. Mas eu não vou ter ódio de você, vou focar nas próximas eleições e vou prestar atenção em quem apoiou impeachment — esses não terão meu voto. Chega de ódio. Apesar de que o seu ódio será minha herança. Minha, porque sou brasileira.

Comentários

albir silva disse…
Muito bom, Mariana, o seu resumo da ópera. A herança maldita será de todos nós. É importante saber quem defende o quê. Não que isso seja consolo. Mas é que o poço não tem fundo, como temos visto dia após dia, e sempre é tempo de repensar. Principalmente quando os fatos vêm bater na nossa cara.
Perfeita sua crónica! O que me consola é saber que mais gente pensa igual e que não estou ilhada nas minhas constatações e sentimentos. Obrigada pela leitura!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …