Pular para o conteúdo principal

COMO ESCAPAR DESTE MUNDO (01): JOGOS
>> Eduardo Loureiro Jr.

Nasci a fórceps. Isso talvez explique minha resistência a este mundo e minha vontade de escapar. Esta é uma forma de ver a minha vida: uma série de tentativas de escapar deste mundo. Comecei pelos jogos, depois descobri os filmes, os livros, a matemática, a música, as paixões, a espiritualidade, o sono, a morte, a astrologia, o futuro, o saudosismo e outras coisas que devo estar esquecendo no momento.

Vou tentar recuperar uma pouco dessa trajetória de tentativas de fuga. Em si, esta recuperação de memória é também uma tentativa de fuga: escrever sobre o passado com um fone de ouvido gotejando anestésica música em minha mente é uma fórmula infalível para escapar por alguns minutos. Começarei pelos jogos...

Minhas memórias mais antigas envolvem jogos.

Lembro de jogar damas e firo com tabuleiros artesanais, feitos por minha avó, e talvez também por uma de minhas tias, desenhados em grosso papelão, tendo tampinhas de tubo de pasta de dente ou mesmo caroços de feijão e de milho como peças.

Lembro de ganhar estojos de jogos clássicos de minha mãe: além de damas e firo, ludo, bingo, resta um... Ludo era meu preferido. Eu gostava de lançar dados. Ainda gosto.

Meu pai me iniciou no xadrez. Quando comecei a escapar também por livros, reparava num velho livro de bolso, mas tão grosso que não cabia no bolso, capa dura marrom, um livro de xadrez, com imagens de tabuleiros e combinações de números e letras indicando posicionamentos de peças. Meu pai chegou a contratar um professor para me ensinar xadrez. Minhas aulas duraram até o dia em que meu professor particular chegou lá em casa bem na hora em que eu assistia a "O Mágico de Oz" pela televisão. Naquele dia, larguei o xadrez: ele representava a realidade da qual o filme poderia me fazer escapar.

Uma vez por ano, perto de meu aniversário, eu ia com minha mãe a uma loja de departamentos para comprar jogos. Parentes mais próximos me presenteavam com dinheiro, minha mãe juntava tudo e íamos nós para o dia mais feliz dos meus anos pré-adolescentes: eu olhava as caixas coloridas, minha mãe olhava as etiquetas de preço e eu voltava para casa com três, quatro, cinco jogos novinhos. Nos finais de semana seguintes, e por todas as férias de final de ano, eu jogava com meus primos. Horas muito bem escapadas com War, Detetive, Cartel, Scotland Yard, Escrete (criado pelo Chico Buarque!)...


Depois apareceram os primeiros computadores e os primeiros video games. Eu tive o PC 200 e o Telejogo. Aquela junção de jogo com televisão era uma bela forma de escapar, mesmo com gráficos que não passavam de tracinhos e quadradinhos.

E havia os jogos de carta, desde a infância, com todas as suas muitas variações: pife-pafe, oito-malucos, buraco mole, depois o duro...

Os jogos sempre estiveram por ali. Com os familiares. Com os amigos (como esquecer a primeira aula gazeada para jogar porrinha?). Com desconhecidos, quando surgiram os jogos online via internet. Muitas vezes sozinho.

Quando fiz 30 anos, os jogos voltaram a se tornar minha forma preferida de escape. Eu estava saindo de um profundo escape de paixão e, fazendo um doutorado com bolsa de estudos, tinha tempo e dinheiro suficientes para me dedicar ao hobby. Descobri os jogos de tabuleiro modernos, vindos principalmente da Alemanha, e entrei profundamente nesse mundo, a ponto de retomar estudos do idioma alemão, que eu havia abandonado, para ler as regras dos jogos no original. Comecei a fazer uma coleção dos jogos vencedores de um prêmio alemão anual de jogos de tabuleiro. Todo final de semana, reunia familiares e amigos em casa, formávamos três ou quatro mesas simultâneas e jogávamos desde a tarde de sábado até a madrugada do domingo. Escape perfeito. Durante a semana, havia novos jogos para pesquisar na internet, listas de discussão virtual para conversar e, quando chegava uma nova caixa dos Correios com dois ou três jogos, eu e minha então companheira não esperávamos pelo final de semana, colocávamos uma toalha sobre a cama e aprendíamos um novo jogo: Catan, Adel, Café Internacional...


Quatro anos depois, acabou o doutorado, acabou o casamento e quase acabaram-se os jogos. A morte parecia ser a melhor alternativa de escape, mas, de alguma forma, eu sobrevivi. E os jogos também. Não como protagonistas, mas como coadjuvantes. Hoje vejo com muito espanto a proporção que tomaram os jogos de tabuleiro modernos no Brasil: são sites, canais do Youtube, luderias, jogos nacionais... De vez em quando, dou uma espiada nesse mundo, mas não possuo as condições financeiras para escapar por essa via no momento.

Relendo o que escrevi até agora, percebendo quantos jogos e quantas situações vividas ficaram ainda por registrar, me impressiono com a força dessa forma de escape em minha vida. A forma lúdica. Talvez a mais pura das formas. A forma mais infantil. Mais ingênua. Mais inofensiva (não gosto de jogar apostado). Se eu fosse escapar agora, neste exato momento, por algumas horas, eu gostaria de escapar aprendendo a jogar "CV — O que aconteceria se...", um jogo em que, lançando e alocando dados, vamos acumulando cartas com experiências de vida, desde a infância até a velhice.



Mas é hora de voltar para este mundo. Ele me puxa da forma mais categórica: a fisiológica. Não há mais como escapar escrevendo, ouvindo música e sonhando com jogos de tabuleiro. Preciso ir ao banheiro. Volto outra hora, lembrando e contando como muitas vezes escapei deste mundo com os FILMES.

E você, caro leitor, o que usa para escapar deste mundo? Ou você gosta deste mundo e não tem vontade de escapar dele?

Comentários

Lilu disse…
Vejo tutoriais de costura, enquanto meus panos mofam, curto aquarelas no Pinterest, enquanto minhas tintas secam, escuto da rede o uivo da lua enquanto a maré sobe...
Zoraya disse…
Detetive! War! Scotland yard! nooossaaaa, q delícia! linda crônica, linda homenagem aos jogos q permearam sua vida, linda mesmo. O q me encanta mais, nisso tudo, é, q toda vez q lembro de um jogo desses, ou vejo um desenho animado, lembro q é um adulto q os criou. Um adulto afortunado, q mantém uma criança ativa e brincalhona dentro dele.
Já pensou em criar um jogo, Eduardo?
Ah, e amei o comentário acima, da Lilu, lindo tb
Cristiana Moura disse…
Escapo em sabores e cheiros.
Em devaneios de palavras com e sem imagens.
Em atividade física diária, sim, este é um escape diário.
Nas obras de arte de artistas diversos.
Por fim, escapo em boas xícaras de café.
Muito bom, Júnior!! Me fez lembrar daquela época com vocês nos jogos a noite, Sabrina conversava mais que jogava, talvez a forma dela de escapar fosse a conversa com a família e amigos rsrs. Foi um momento em que conhecia mais vocês e a família toda. Abraços meu cunhado.
Grato por suas escapadelas, Linda Lilu e Cris. :)
Zoraya, já fiz algumas tentativas sem muito sucesso. :) Grato.
Gilbert, época boa demais! Quem sabe volta qualquer tempo desses... :)
Gente que tenta escapar, mediante peças de dominó, reunida em torno de mesas ao ar livre. Contudo, a decrepitude, a sombra da morte, levanta-se para além do arvoredo, para além da praça, para além da cidade.
albir silva disse…
As escapadas têm de ser reinventadas, Edu. A vida vai se apoderando delas sempre que as descobre. É mais um jogo de esconde-esconde.
Grato, Albir e André, pelas dicas escapatórias e não-escapatórias. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …