Pular para o conteúdo principal

NA PROFESSOR MOREIRA >> Sergio Geia




No 327 da Professor Moreira existe um prédio largo, vistoso, com muitas janelas, pintura nova, piso de granito, flores, jardim e um brasão. Na frente, um letreiro informa de que se trata tão pomposo imóvel: Mitra Diocesana de Taubaté.

Há uma mesa logo após a porta de entrada, uma funcionária bem vestida carrega pastas; deve cuidar da burocracia da igreja. Há também uma placa, um pouco menor, com o horário de funcionamento: das 8:00 às 12:00 horas e das 13:00 às 17:00 horas; uma boa garagem; grandes portões cerrados.

Lembro-me de que ali funcionava um pensionato de freiras, cujos quartos, amplos e aprazíveis, eram alugados para moças estudantes que chegavam a Taubaté, atraídas por faculdades. Ali encontravam um teto decente; para pais e família, decente e gerenciado por freiras, o que é bem melhor.

O prédio fica numa região privilegiada, com fundos para a Professor Moreira e frente para a Praça Santa Teresinha. A poucos metros dali está a faculdade de medicina, a faculdade de educação física, a faculdade de comunicação social e a faculdade de fisioterapia. Com um pouco mais de esforço, mas nem por isso longe, chega-se ao campus da Ecase, onde funcionam as faculdades de economia, contabilidade, administração e odontologia, de modo que o lugar, além de bem gerenciado, situa-se num ponto favorável da cidade para quem vai frequentar faculdades.

Foi com tristeza que vi aquela casa jovial e alegre de outrora, frequentada por moças bonitas e felizes, ser transformada de uma hora para a outra numa sem-graça Mitra Diocesana de Taubaté, e no seu vai e vem de padres.

Recordo-me de que sempre tinha algo bom de ver por detrás daquelas janelas. Eram divertidas as moças, além de graciosas, e regularmente havia conversa fiada quando estavam a espiar a rua. Certa vez executamos uma serenata que foi muito bem recebida por elas, até que uma das freiras, mal-humorada que só vendo, tratou de nos pôr pra correr. Pois hoje sei que vou olhar pra cima e nada verei além de pobres janelas mortas, quando muito um padre idoso plantado num daqueles aposentos com história.

Mas a vida é assim, o que se há de fazer? Outro dia foi o Colégio Anchieta, que vi parte no chão. A Villa Santo Aleixo, dizem que sai reforma. Na Professor Moreira mesmo, no 267, hoje existe um comércio. Pois ali moraram os Castilhos, nobre família da cidade e meus amigos de longa data. Frequentava aquela casa e sempre fui acolhido como filho. Às vezes víamos filmes. Outras, jogávamos detetive ou truco. Ou corríamos ao centro atrás de propaganda comercial para o serviço de som da igreja.

Eram tempos de vadiagem; bons tempos. Vejo que a saleta da residência dos Castilhos se transformou num abafado escritório. Naquele mesmo lugar de tantas histórias, espio um rapaz perguntando o preço de um seguro qualquer. Saio de lá com aperto no peito.


P.S.: foto da rua Professor Moreira, em Taubaté

Comentários

paulo pereira disse…
Vou discordar de você. Prefiro um belo Museu de Arte Sácra a um mosteiro com donzelas pudicas e freiras rigorosas demais.
Eu acho que fui o único homem a adentrar naquele recinto. Foi profissionalmente.
Uma aluna da medicina estava adoentada e precisou de meus cuidados. Foi um fato inusitado que criou muitos arrepios.
Zoraya disse…
Belíssima crônica memorialista, Sergio! Tocante e delicada. Tá virando especialista.
sergio geia disse…
Dr. Paulo Pereira, não discordamos; ao contrário, concordamos. Obrigado por compartilhar dessa lembrança. Grato mais uma vez, Zoraya.
Sergio, até eu fiquei com aperto no peito. Bela crônica!
sergio geia disse…
Obrigado, amigo!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …