Pular para o conteúdo principal

CIFRANAVA: UMA GRANDE AVENTURA
>> Paulo Meireles Barguil


Entre frutas e bichos, o Homem, há milênios, aprendeu a representar o que tinha.

Em cada sociedade, distintos símbolos e modos para fazê-los e agrupá-los.
Alguns desses são ainda conhecidos.

No Ocidente, prevalece, após vencer o Sistema Romano numa secular batalha — epistemológica e com fortes pigmentos religiosos —  aquele que foi criado pelos Hindus e difundido pelos Árabes, motivo pelo qual é nomeado como Sistema Indo-Arábico.

Sua aprendizagem é motivo de sofrimento para muitos e de júbilo para poucos.

Os mestres, infelizmente, na maioria das vezes, em virtude dos seus fragmentados e, por vezes, confusos conhecimentos, não auxiliam os estudantes na aprendizagem desse fantástico produto cultural, cuja autoria é coletiva.

Algarismo, numeral e número: afinal, o que é cada um?

Ah!, você nem imagina o embaraço cognitivo e o pedagógico do professor diante desses conceitos.

E o que balbuciar, então, sobre a mistura que acontece nas crianças?

Essas, entre cópias e recitações, vão entendendo cada vez menos e odiando cada vez mais a Matemática.

É essencial que eu lhe diga: isso não é Matemática!

Ela é muito mais do que essas duradoras aberrações, as quais expressam tanto a incompreensão de como se aprende como do que é essa bela Ciência, a qual, na escola, é dividida, conforme a novíssima Base Nacional Comum Curricular, em vários eixos: Álgebra, Aritmética (Números e Operações), Estatística e Probabilidade, Geometria, e Grandezas e Medidas.

A Matemática e a Língua Materna ocupam posição de destaque no início da vida escolar, com primazia para essa última.

Grandes são os desafios para que os discentes possam, na escola, ampliar seus conhecimentos constituídos fora dela.

Na Língua Materna, os estudos de Emilia Ferreiro, iniciados em 1980 e ampliados por ela e outros pesquisadores, contribuem para que os processos de leitura e a escrita sejam melhor compreendidos pelos docentes e, assim, ensinados.

Enquanto na Língua Materna, há uma conexão linguística entre alfabeto, sistema alfabético e alfabetização, o que contribui para uma melhor prática profissional, na Matemática, no âmbito da Aritmética, inexiste tal nexo, entre o conjunto, o sistema e o processo.

Para começar, o conjunto nem batizado é, o que contribui para que muitas pessoas não compreendam a diferença entre algarismo, número e numeral.

O Sistema é alcunhado de Numeração Decimal, mas, na verdade, a grande maioria dos sistemas que a Humanidade criou era de base 10, ou seja, a cada 10 elementos agrupados, outro elemento o representa.

A grande peculiaridade desse Sistema é o fato de ser posicional — todo algarismo tem valor absoluto e valor relativo, pois, enquanto o primeiro é fixo, o segundo depende da ordem em que ele está e da ordem a que se referencia — mas essa característica nem é ressaltada na denominação!

Quanto ao processo, são diversas as alcunhas: numeralização, numeramento, senso numérico, sentido de número...

Considerando que uma das funções da linguagem é organizar a compreensão do sujeito sobre o mundo, não é laborioso imaginar o que essa desarticulação linguística proporciona, tanto aos professores como aos estudantes.

E foi pensando nisso, que uma criança, com inspiração divina, propôs uma solução.

Tendo em vista  que a palavra alfabeto é uma referência às duas primeiras letras (alfa e beta) do conjunto das letras gregas, que originaram as latinas, ela resolveu nomear o conjunto dos algarismos indo-arábicos em deferência a esses povos.

Adotando como parâmetros o zero e nove, extremos desse conjunto com dez itens (0, 1, 2... 8, 9), e após um mergulho etimológico, associou o zero à sifr, árabe, que originou cifra e zero, e o nove a nava, sânscrito, uma língua da Índia, resultando dessa adição, pois, o vocábulo cifranava.

Depois disso, ficou fácil: diante daquela imprecisão — Sistema de Numeração Decimal — sugeriu a expressão Sistema Cifranávico, num paralelismo ao Sistema Alfabético, pois os numerais, os registros numéricos utilizam algarismos do Cifravana.

E, por fim, chamou de Cifranavização o processo no qual as pessoas aprendem a utilizar o Sistema Cifranávico, incluindo naquele as operações fundamentais.

Estupefata com seu folguedo, tentou partilhá-lo nos espaços apropriados, mas sua sugestão não foi valorizada pelos sábios, afinal ela era coisa de infante e eles estavam preocupados com coisas mais importantes!

Outros adultos, contudo, o incentivaram a prosseguir, mesmo que, muitas vezes, sem entender bem do que ela falava.

Resoluta, decidiu ir adiante e continuou a bulir e a aperfeiçoar a sua criação, bem como a si mesma.

Depois de muitos meses do seu lampejo inicial, ela a propagou.

Quer conhecer um pouco mais essa peripécia? Clique aqui.


[Pintura rupestre na Serra das Paridas, município de Lençóis - Bahia]
[Foto de minha autoria. Outubro/2015]
[Crônica dedicada ao meu irmão José, que não conheci, morto com um dia de vida, que, se vivo fosse, faria hoje 49 anos]

Comentários

Anônimo disse…
Continue buLindo! =)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …