sexta-feira, 27 de maio de 2016

CÓDIGO MATERNO >> Paulo Meireles Barguil

No final do dia, para fugir do calor confinado nas casas, muitas pessoas iam para a praça, o que possibilitava que as crianças gastassem um pouco da sua infinda energia.

Dentre elas, estavam Maria e sua filha Emília.

Instantes depois de chegarem à praça, a menina pediu à sua genitora:

— Eu posso ir brincar com a Glaucinha? — apesar do receio no veredito, ela acreditava que seria positivo, pois a convidada era filha do dentista da família.

— Pode ir — respondeu a mãe, sem demonstrar qualquer contrariedade.

Depois de poucos minutos, Maria chama a rebenta e anuncia:

— Vamos voltar agora para casa!

A criança a obedeceu, mesmo sem entender o motivo do retorno tão prematuro ao lar.

Quando chegaram em casa, a mãe explicou para Emília:

— Quando eu disser "Pode ir" é porque não pode ir!

— Eu não sabia! E qual é a sua resposta quando eu puder ir? — indagou-lhe a atônita criança.

— Vá!


[Crônica dedicada à minha avó materna, Maria Nunes Meireles, a mãe da história]

Partilhar

Nenhum comentário: