Pular para o conteúdo principal

REVERTERE AD LOCUM TUUM (2ª parte)
>> Albir José Inácio da Silva

(Continuação de 25/01)

O telefonema que desencadeou a crise tinha vindo de um hospital em Angra dos Reis.

Na semana passada, deslumbrado com uma escultura que viu no Cemitério do Caju, Augusto foi à Ilha Grande procurar o artista e encomendar um busto em mármore para coroar o seu chalé.  Disse à família que viajava a trabalho, a verdade só o Durval sabia.

Durval sempre sabia. Era o único que apoiava a empreitada de Seu Augusto. “É o desejo dele. Tem que ser respeitado”, dizia. Numa tarde sonolenta, Augusto tinha chegado à funerária, humilde e falando baixo. Durval, acostumado com a dificuldade desses momentos, também falava baixo, atencioso e prestativo. A conversa avançou e ele descobriu que Seu Augusto não tinha um defunto, mas tinha muitas perguntas.

— Seu Augusto, tem jazigo de todo preço, mas, uma vez adquirido o espaço, o senhor pode ir melhorando, valorizando, é como uma casa.

Augusto não se preocupava com a morte, “todos morreremos algum dia e isso não é bom nem mal, é a vida”, dizia. Mesmo o pós-morte, assunto que considerava mais sério, não lhe tirava o sono. O que lhe coubesse, aceitaria. Também não se importava com roupas, carros e casas. Andava de ônibus, só tinha roupa de trabalho e morava de aluguel.

Mas de alguma vaidade ninguém escapa e a de Augusto, mais que uma vaidade, era uma obsessão: não ser enterrado como viveu, repousar num lugar que recompensasse sua vida de privações. Há anos visitava cemitérios para observar a arte, a arquitetura e a beleza dos túmulos. Em casa, escondido da família, visitava sites especializados, fazia desenhos e planos.

Quando conheceu Durval, foi amizade à primeira vista. Juntos planejaram e executaram, de modo a caber no orçamento de Seu Quincas — não sem sacrifícios — a compra, construção e embelezamento de um “lugar decente, debaixo de uma árvore frondosa, numa alameda discreta, longe da via principal, mas encantadora”, dizia Durval.

O NAUFRÁGIO


Agora Dona Quinca estava sedada e algemada numa maca, sem previsão de alta. Tinha apanhado bravamente de policiais e enfermeiros antes que a injeção a tranquilizasse. Já estava sonolenta quando ouviu a voz de prisão por desacato, lesão corporal e dano de mais de vinte mil reais.

Mas onde estava o Augusto?

Na volta da Ilha, Augusto imaginava já a escultura pronta, enfeitando o seu mausoléu, quando a lancha bateu numa pedra e afundou. Felizmente salvaram-se todos, resgatados por outra embarcação, mas Augusto chegou desacordado ao hospital por conta de uma pancada na cabeça durante os embates do naufrágio.

Sem documentos, Augusto acordou três dias depois no Hospital de Angra dos Reis e informou o único telefone que sabia de cor, o da funerária. A assistente social fez a ligação, interrompendo a compra e venda que já estava assinada.

(Continua em 15 dias)

Comentários

Zoraya disse…
ai, Albir, isso é muita maldade!! Que história ótima! Espero ansiosa.
Entendi, Albir...
Você está melhorando, valorizando, como uma casa...
A casa da nossa curiosidade. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …