Pular para o conteúdo principal

REVERTERE AD LOCUM TUUM (Final)
>> Albir José Inácio da Silva

[Continuação das partes 1 e 2]


Sem documentos, Augusto acordou três dias depois e informou o único telefone que sabia de cor, e a assistente social fez a ligação pra funerária, interrompendo a compra e venda que já estava assinada.

A angústia do naufrágio e as longas horas na enfermaria deram a Augusto o tempo para refletir sobre a vida, a família e a pobre Quinca. Ela passou os últimos anos tentando convencê-lo da loucura do seu empreendimento.  A Bíblia era o principal argumento:

— Deus disse a Adão, “tu és pó e ao pó tornarás”. Ao pó e não ao palácio! E Jesus disse, “deixe que os mortos enterrem seus mortos”. É pecado ficar se preocupando com o corpo que já morreu. E é viva que eu preciso de conforto!

Augusto chegou ao Rio com a cabeça enfaixada e cheia de remorsos. Era sua culpa. A pobre Quinca estava doente, sedada e algemada numa maca, e ele nem sabia se ela iria se recuperar. Havia ainda o prejuízo da funerária que chegava a milhares de reais. Mas era tempo de agir, não de lamentar.

As Recaídas


Em poucos dias, Dona Quinca era outra mulher. Paparicada por Augusto, recuperou rapidamente a saúde, a razão e a fé. Não tinha dúvidas de que o marido era também outro homem. Ficou todo o tempo ao lado dela. Chegava com flores todos os dias. Confessou-lhe pecados e desvios de verba para as obras no cemitério.

Augusto só saía do hospital para cuidar da fiança e outros embrulhos legais, porque Dona Quinca estava presa em flagrante. Mas o delegado era compreensivo, foi ao hospital conversar com ela.

— Dona Quinca, a senhora não é bandida, é uma mãe de família. Não pode ficar fazendo essas coisas. A senhora agrediu mais de dez pessoas, quebrou a loja inteira, mordeu os médicos e chutou os policiais. Não faça mais isso! Eu vou deixar a senhora sair, mas que isso não se repita!

Não foi diferente com os médicos. Reconheciam todos que ela era uma boa mulher, dedicada à família, dócil e educada. Aquilo fora uma caso isolado. Até as admoestações do médico da alta foram carinhosas.

— Dona Quinca, a senhora não merece isso que a senhora fez consigo mesma. Cuide-se bem. Cuide da sua família. Espero nunca mais vê-la por aqui, a não ser para me cumprimentar!

Ela distribuiu sorrisos e beijinhos para a enfermagem e deixou todos emocionados ao sair amparada pelos braços de Augusto. Quanta diferença daquela endemoninhada que chegou há alguns dias!

Dona Quinca chega em casa paparicada por Augusto e é acomodada na sala, entre almofadas e copos de refresco. Mas os carinhos não param por aí. Quincas pega a bíblia, o que faz exultar o coração da mulher, eram uma família e Augusto estava mesmo mudado.

 — Todo aquele que escuta as minhas palavras será como o homem prudente que edificou a sua casa sobre a rocha. Mateus,7:24 — lê Augusto, acrescentando, à guisa de comentário: — Vê como é importante edificar a morada do futuro?

Uma ruga de preocupação aparece na testa de Dona Quinca, mas ela está feliz, abafa a preocupação e mantém o sorriso.

Quando acaba a leitura, Augusto senta-se ao lado da mulher, pega sua mão e aponta o trecho que acabou de ler:

— O que você acha de colocar este versículo acima dos nossos nomes? — antes que ela responda, Augusto pega a placa de bronze que trouxe da funerária.

Só temos o áudio, mas ouvem-se vidros e móveis se quebrando. Depois sirenes.  Aos poucos uma calma diazepínica se estabelece.

Comentários

Zoraya disse…
hahaha, pobre D. Quinca! que final terrível! ótimo!
Que maldade com a Dona Quinca! :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …