segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

DEPOIS DE TODO AQUELE TEMPO >> André Ferrer

O problema estava naquilo que era ser um professor de Química e sempre discutir a vida em termos de reagentes e produtos. Naquilo que sempre tinha sido transpirar e urinar Lógica. De repente (à luz de um sol que degelava um embrião esquecido), descobriu-se.

Na padaria, inacreditavelmente, deixou passar o tubo de reações "desbalanceadas" do “tiozinho” da caixa. Tolerou, minutos depois, a entrópica ignorância do jornaleiro.

No carro, à “Rádio Que Toca Notícia”, preferiu uma que tocava música e o repórter do helicóptero, dito “fodão do real time”, nem foi lembrado. Trânsito sem oráculo. Dia deixado à ventura.

“Noto que comprou jornal! E que tal?!”, disse o chato na entrada do colégio. “Derrapou, de novo, aquele ‘seu’ herói delator! Hein? Hein? Hein?”

Mesmo sendo minoria — no pátio e na vida —, o bedel não incomodou. Quis. Ardeu. Desejou. E, decerto, como se aquilo fosse o ar de todas as manhãs, aspirou! Inútil. O professor de Química deu de ombros para a política (depois de todo aquele tempo se importando, até que estava feliz).

“Hein?”

Na sala dos professores, uma cordilheira de caninos, molares e incisivos contra um céu escarlate de bocas. Enfim, a matilha. “Tantos anos”, ele não perguntou, “e quando foi mesmo que o macho alfa rejeitou um recém-nascido?”

“As notícias! Ontem. Você já sabe.”

“Lobo”, não disse, “olhe para trás e aprecie a fila de cheiradores de traseiro!”

“Hein?”

Na sua defesa com alma de ataque, o professor de Química disse apenas “bom dia” (porque, afinal, tinha renascido).

“Queridos”, não disse.

“Queridos, a guerra por mim não é.” Com todas as forças, não quis dizer (porque renascer é duro é duro é duro). E foi nessa calma, nesse paraíso, nessa tranquilidade em forma de um cancã de pernas e rabos entremetidos que tudo mais, a manhã e a tarde e o dia, transcorreu.

Partilhar

2 comentários:

Zoraya disse...

hahaha, colocar o seu lado 'contundente necessário' pra dormir não tá sendo fácil, hein?

Eduardo Loureiro Jr. disse...

Que beleza de texto, do título à frase final!