Pular para o conteúdo principal

APENAS UM DESABAFO >> Clara Braga

Um professor, entendendo seu papel em sala de aula, se sentiu na obrigação de explicar naquele momento que Noé e a arca são um mito. Não demorou para que um se ofendesse e ficasse emburrado no canto, achando ruim o fato do professor estar desrespeitando a religião dele.

Em outro momento, um pai contacta a instituição e afirma: "Caso algum outro professor diga que as feições de Jesus eram mais parecidas com as de um muçulmano do que com esses traços europeus que estamos acostumados a ver, vou processar a instituição! Vocês não têm direito de desrespeitar a minha religião!"

Durante uma festa das regiões, vários grupos se apresentaram dançando músicas e ritmos típicos de cada região. Dançar funk jamais seria um problema, mas "é sério que vocês querem colocar essas crianças dançando maracatu? Elas não merecem ter suas religiões desrespeitadas!"

Em uma loja colaborativa de Brasília, os vendedores estão com medo de serem apedrejados. A todo momento, passa alguém na porta xingando e ameaçando a loja, já que uma das artistas expositoras cria imagens de santos em gesso, mas os representa vestidos de personagens como Chapolin, Batman, Frida Kahlo e outros. Um movimento já começou e as pessoas estão se mobilizando, vão processar a loja, afinal a loja não têm direito de desrespeitar a religião deles.

Em uma rede social, os perfis de três fotógrafos brasilienses foram desativados, afinal eles trabalham com a temática ofensiva do nu artístico. Quem não entende a diferença entre a imagem desses artistas e a incitação ao erotismo ou algo do tipo, se ofende mesmo, mas de quem é a culpa?

No Brasil, pessoas morrem por terem crenças diferentes. Elas não têm o direito de acreditarem naquilo que acreditam, a crença em algo diferente do que é considerado correto por uma maioria é uma ofensa.

Não gosto de falar sobre polêmicas, corro de discussões políticas e, principalmente, religiosas, mas peço licença para o desabafo, até porque em meio a essas histórias cheias de ofensas e desrespeitos, acabei me ofendendo também. Não consigo aceitar que estamos nos movimentando em busca de uma sociedade na qual existem duas opiniões: a minha certa e a sua errada. E como é lógico que eu estou certa, nada mais justo do que eu me sentir no direito de fazer justiça com minhas próprias mãos!

Me preocupa seriamente saber que enquanto tivermos pais que ameaçam, avós e avôs que apedrejam, teremos meninos emburrados no canto da sala que podem se tornar o próximo a matar uma jovem que está saindo de um centro religioso, afinal é ela e, com certeza, sou eu com a minha religiosidade pouco desenvolvida que estávamos entendendo tudo errado: a lição não é o amor ao próximo, a lição nunca foi a tolerância, a mensagem nunca foi de caridade, a mensagem é clara: se não estão do nosso lado, estão contra a gente, e ninguém tem o direito de nos desrespeitar!

Imagino Jesus, com feições europeias, claro, assistindo a tudo isso lá de cima...

Comentários

Como tudo, aqui também tem dois lados: tem gente que se acha certa e apedreja, assim como tem gente que se acha certa e ofende. Bom senso de parte a parte seria uma boa medida.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …