Pular para o conteúdo principal

DE PASSAGEM >> Carla Dias >>


Há momentos em que se sente uma boa pessoa, daquelas dadas à benevolência na sua essência, sem expectativas, espera por recompensa.  Em outros, segue seu caminho acabrunhada, sem nem mesmo rasa vontade de tentar compreender seu semelhante. E há quando se aprofunda na vida de uma pessoa, por pura curiosidade.

O que pode garantir é que não nasceu para a plenitude. Quem a conhece, já sabe que dela não se pode esperar isso ou aquilo, que ela soa nesse mundo feito improviso. Há quem tente desvendá-la, mas em vão. Como aquela moça que a conheceu, ainda outro dia, na fila do caixa de um bar. Elas conversaram durante toda a espera, e a moça do bar acreditou que encontrara uma amiga para a vida. Saíram juntas, algumas vezes, até que...

O moço, sem sal, monossilábico e deveras arrogante, destoa da moça do bar, uma figura alegre, comunicativa. A moça do bar se mostra animada por, finalmente, apresentar à outra seu noivo de longa data: quatro anos, sete meses, vinte e sete dias.

A outra segura a mão do homem como se ele a tivesse convidado para um passeio pelo parque. Ele aprecia isso, o sorriso que lhe escapa é comprobatório. A noiva sente aquele calafrio, de quando se pega diante de uma constatação contrária a seu desejo.

Diante do interesse do noivo pela amiga para a vida, a moça do bar murcha como se fosse flor em vaso de casa com janelas fechadas. Silenciosamente, confabula consigo sobre como sacana é a ex-amiga para a vida. Porém, esse pensamento não dura muito. No fundo, ela sabe o que acontece.

O noivo desata a falar, e sobre assuntos que ela nunca escutara sair de sua boca antes; sobre os quais a moça do bar jamais imaginara que ele fosse capaz de discursar.

O sonso, agora com faces rosadas, tamanha excitação em dizer tanto a uma mulher que acabara de conhecer, mostra-se repleto de desejos, conhecimento e perspectivas, tudo o que a noiva, ainda que nos dias mais felizes, não conseguira identificar.

A outra observa a moça do bar, enquanto o noivo dela se revela completamente disponível para aventuras que, provavelmente, ela já desejara experimentar, mas pelas quais ele não demonstrara interesse. Todos os matizes que são revelados no momento, a inundação de ideias, planos, opiniões... Tudo é claramente inédito para a noiva.

Sobre ela, sabe-se que não contraria desejo de se colocar na vida das pessoas, somente para dar uma espiada. Intrometer-se na vida delas é algo que raramente acontece. No caso da noiva, bateu-lhe uma vontade tamanha de compreender o motivo de ela insistir em se manter em tal prisão.

Intrometeu-se.

Convenhamos, às vezes cometemos o erro de escolher prisão, ao invés de liberdade. Ela sabe que relacionamentos podem ser correntes, e os vem evitando há muito tempo.

A noiva, já sem disfarçar descontentamento, pediu que lhe servissem uma dose de uísque. A outra, delicadamente curvada sobre a mesa, de modo a ficar mais próxima do noivo, escuta o que o homem diz, mas não tira os olhos da escrava emocional dele.

É assim que acontece. Ela não é boa ou má, não é uma pessoa para se encaixar aqui ou ali. Porém, sabe que tem talento para compreender o que, silenciosamente, as pessoas sentem. Às vezes, não nega uma inspiração para a catarse alheia e nunca errou ao ler uma pessoa. Como a noiva, que bebe a terceira dose de uísque, sem que seu noivo tenha notado tal ousadia. Ela sabe que, daqui a uma ou duas doses, em vinte ou trinta minutos de monólogo do noivo sobre como ele pretende conquistar o mundo, a noiva chegará ao seu limite, e em vez de chorar sozinha, por horas, como já lhe confidenciou, ela dirá adeus ao seu noivo desinteressante e desinteressado.

A noiva, já desprovida da amabilidade da qual tanto se orgulha, debruça-se sobre a mesa, a boca tão próxima ao ouvido do desatento noivo. A outra se ajeita na cadeira, quer ficar em boa posição para assistir ao que virá. Então, ele sente a mão dela pousar nada delicadamente em seu braço. Irrita-se, pergunta o que acontece, sem nem mesmo olhar para ela.

Não é ciúme por ele se interessar mais por uma estranha do que por ela, que vem ajudando o tal a construir sua vida. Não é isso... Seria mais fácil se fosse. Vai além, é mais profundo. Envolve anos construindo uma falseada segurança e a certeza de que é apenas isso que merece da vida.

Imprevisível, diz o que poucos desejam escutar. Tal crueza não faz amigos para a vida, as amizades acabam durando somente enquanto ela se comporta de forma que os prováveis amigos possam compreendê-la. Bebida amarga essa, comenta a noiva, sem se referir ao uísque. Então, vira-se e cochicha algo ao ouvido do noivo que, imediatamente se vira para ela, olhos esbugalhados de surpresa e desespero.

Dali em diante, ela prefere não fazer parte. Pega sua bolsa e sai sem dizer palavra que seja. Despede-se sem adeus. Alguns passos adiante, ela se vira para observá-los: noivo dizendo tanto à noiva; ela sem a menor vontade de escutá-lo. Sabe que não continuará a ser a amiga para a vida que a moça do bar reconhecera nela. Mas, definitivamente, fora amiga para aquele momento em que a noiva estava pronta para abrir os olhos e perceber o mundo... Prisões à parte.

Imagem: The Sorceress © John William Waterhouse

carladias.com

Comentários

Um dia vai existir um livro assim: "Enciclopédia dos Personagens de Carla Dias". :)
Carla Dias disse…
Adorei, Eduardo!
:)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …