Pular para o conteúdo principal

ALL YOU NEED IS INTERPRETAÇÃO DE TEXTO
>> Analu Faria

A Lexicon é uma companhia que trabalha com dar nome a empresas e produtos. Não é um empreendimento de marketing exaaaatamente. Quero dizer, na verdade, é, mas não cuida da estratégia de marketing como um todo. A Lexicon é especializada em uma parte bem específica da identidade da empresa ou do produto: o nome. Foi ela quem deu o nome de “BlackBerry” ao aparelho que deveria se chamar “EasyMail”. Se o BlackBerry já não é uma unanimidade, imagina com esse lindo e funcional nome de “EasyMail”…

Vi uma entrevista na TV, feita com um dos executivos da empresa. Ele falava sobre a sonoridade do “b” e sobre como essa sonoridade poderia definir o que se pensa da marca. Também falou sobre o fato de ser uma palavra “curta e grossa” (tradução minha para as muitas palavras que ele usou, em inglês, para dizer que os fonemas de “blackberry” denotam algo que “vai direto ao ponto”) e de como essa ideia se encaixava bem no que o aparelho oferecia de diferente ao consumidor. Disse, ainda, que blackberry (“amora preta” em português) é uma frutinha bem gostosa, o que é ponto positivo. Imagine um eletrônico chamado “Jiló”.

Eu nem sabia que existiam empresas especializadas em “brand naming” (esse é o nome do ramo da Lexicon). Existem muitas. Lá fora e aqui. Essas empresas usam o conhecimento de linguistas, de gente que esquentou banco de faculdade por anos, que pesquisou, que fez mestrado, que varou noite estudando, que quebrou a cabeça com artigos científicos, que aguentou orientador que não orienta nada (ou que exige demais). Dar um bom nome a uma empresa não é tirar coelho da cartola.

Começa a crescer no Brasil uma área chamada linguística forense. Uma parte da linguística forense cuida de analisar evidências linguísticas a fim de detetar autoria, intenções e significados de um texto. Também lida com identificar se um texto é original ou foi plagiado. A página http://linguisticaforense.pt/ traz casos de pessoas que foram condenadas ou inocentadas por evidências linguísticas.

Usei dois exemplos fortes de como a linguagem pode mudar a vida de alguém. É lamentável que muitos brasileiros considerem inúteis os estudos da linguagem — qualquer linguagem, verbal ou não — e que entendam a comunicação apenas como “meio” para atingimento de algum fim. (Já disse um cara muito esperto, “o meio é a mensagem.”). Estudar linguagem e contexto é uma coisa séria, não para fazer prova, mas para fazer a vida. Recentemente, em uma roda de amigos, comentei que a pena de morte no Brasil só era possível em caso de guerra. Em todos os outros casos, não poderia ser aplicada e que essa regra — da não aplicação da pena capital — era cláusula pétrea, o que significava que a regra não poderia ser mudada, de acordo com nossa Constituição. Para que a pena de morte fosse aceita como legítima, seria preciso haver uma outra constituição, o que só ocorreria em caso de revolução ou golpe. Uma amiga me interrompeu. O diálogo que se seguiu foi meio surreal:

Amiga X: Pois é, eu acho que a Constituição precisaria, sim, ser revista.

Eu: Ok, mas essa regra, especificamente, não pode “cair” — não pode haver pena de morte no Brasil e a regra não pode ser tirada da Constituição. É uma regra jurídica, entende? Isso é que quer dizer uma cláusula pétrea — você não pode se livrar dela, nem por emenda à Constituição.

Amiga X: É, mas nisso aí eu acho que deveria haver uma revisão, quanto à pena de morte, sabe.

Eu: Ah, só com outra constituição. E isso só em caso de revolução ou golpe, né, que são os casos em que você teria, digamos assim, bem grosseiramente, uma mudança de poder, imposta ou não. São os casos em que se muda uma constituição, entende? Mesmo que o golpe não seja uma coisa legítima e...

Amiga X: Não, não precisa ter golpe, nem revolução. Eu acho que podia rever isso da pena de morte com esta Constituição mesmo.

Sem saber o que dizer, balancei a cabeça: “Entendi.” E saí da roda.

Lembrei, na hora, de uma frase de um conhecido: “Falta amor neste mundo, mas falta interpretação de texto também.”

Pior que isso são aqueles que não querem “discutir” sobre qualquer coisa relacionada à linguagem. “O importante são os atos, não as palavras”. Enquanto isso, linguistas e marqueteiros espertos vão dar nome a bons produtos e fazer rios de dinheiro. Marqueteiros e linguistas picaretas vão vender produtos ruins com linguagem boa e passar a perna em um monte de gente para quem "nome não vende produto". Políticos vão continuar nos engambelando com seus discursos “mais do mesmo” — mudam-se as palavras e muita gente não vê que não mudam as intenções. Peritos vão identificar se aquele texto que você adora não foi puramente um CTRL+C + CTRL+V do texto de outro alguém. Líderes mal preparados vão transformar vidas de bons profissionais num inferno, enquanto puderem encantar com frases de efeito ditas de um jeito original. Líderes tecnicamente bem preparados vão penar para colocar em prática suas ideias, por pura falta de comunicação.

Quem não se comunica, baby, se estrumbica.

Comentários

Zoraya disse…
Maravilhoso texto, Analu! Mas não reclame não. Sua amiga não ter perguntado o que era 'pétrea' já tá bom demais...
Precisamos mesmo, Analu. :)
Nahendi disse…
Crônica maravilhosa! Faço mestrado em Letras e me identifiquei com a "angústia" transmitida na sua escrita...

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …