Pular para o conteúdo principal

SAUDADE DA FLORESTA,
ENCANTADOR ESCONDERIJO
>> Cristiana Moura



Ensaiava, ainda antes de abrir os olhos, um espreguiçar lento e desacelerado no amanhecer daquele domingo que seria diferente de todos os outros. Ao esticar o corpo para lá e para cá com gestos mansos e felinos, Gabriela camuflava a ansiedade pelo passeio por vir. Tomou seu café da manhã na padaria para que o dia lhe começasse com raios de cotidiano e segurança. Depositou sua ansiedade em um largo pedaço de bolo como se pudesse transformá-la açúcar adentro. Mas o que estava por vir lhe fugia ao que poderia imaginar tão apaixonada que se tornara pelo cotidiano que aprendera a tecer.

E o domingo diverso veio. E viveu. E o tempo passou em câmera lenta, enquanto passeava por entre os encantamentos da vida que, sem que ela pudesse ter domínio, naquele domingo, fugia ao que conhecia em seu dia a dia.

Foi aquele rapaz, amigo de uma amiga, que a levou secretamente ao seu esconderijo. A floresta era mágica. Enquanto caminhava, as raízes das plantas se misturavam aos seus pés e às suas próprias raízes. O som das folhas, nascido do seu encontro com o vento, se entranhava à melodia das flautas mágicas. Nem todos podiam ouvir as tais flautas. Ele podia. Contou a ela que a floresta sempre o leva para onde ele quer estar.

Enquanto ele, ao compartir com a moça dos seus segredos — seu esconderijo e seus sons —, parecia a cada respiração estar sempre esperando o momento por vir, ela queria mesmo era que o tempo parasse. O nome do rapaz prometi não revelar. Mas o significado do mesmo, não fazendo parte da promessa, vou contar a vocês: Encantador. Sim, seu nome significa Encantador.

Gabriela, que já se encantara com bolhas de sabão, com pores do Sol à beira mar, agora se encantava com o passeio pela floresta e por aquele que a guiava. Seu guia também parecia encantado pela moça. Já não tão moça, mas isso ele não sabia. Passear ao lado dele a fez sentir pingos de saudade da juventude.

Ela viveu o domingo assim, encantada. A Floresta e seus sons, o seu guia, tudo lhe acordava os sentidos. Ah, Gabriela, agora, é só saudade. Quer pisar de novo as raízes da floresta, mas não aprendeu o caminho, não pode ir só. Quando lhe perguntei sobre o moço, ela respirou fundo e me disse que não tem certeza se realmente o conheceu ou se o inventou. Parece que vão almoçar juntos qualquer dia desses. Ela me confidenciou que teme o desencantar possível de quando os olhos vêem simplesmente o que é. Ao mesmo tempo sonha em desencantá-lo para então ser vista de verdade.


Para conhecer mais sobre Gabriela:

http://www.cronicadodia.com.br/2014/07/um-sorriso-numa-bolha-de-sabao.html

http://www.cronicadodia.com.br/2014/12/uma-alegria-uma-tristeza-e-maresia.html

Comentários

Gabriela e suas leves histórias... :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …