Pular para o conteúdo principal

AMOR ROMÂNTICO >> Sergio Geia



O papo rolava solto quando ele, instigado por alguma coisa — talvez algo que ela tenha falado, perguntou:

“Quer dizer então que você não se acha romântica?”

“Ah, não sei. Me incomoda um pouco o rótulo de romântica que envolve a mulher. Eu sou uma pessoa afetiva. Gosto da estética romântica: roupas, móveis, lugares. Mas não sou ligada, por exemplo, a detalhes; não gosto de surpresas, não idealizo, não crio expectativas, não fantasio... Coisas do gênero. Será que dá pra entender?”

“Interessante. Dá sim.”

“Sabe que esses dias um amigo de infância me perguntou exatamente isso? Você não tem nenhum sonho romântico? Eu acho que não..., respondi. Não me veio nada na cabeça.”

“Cada um é cada um, mas acho que o seu modo de pensar é bem singular, imune às interferências do mundo.”

“Como assim? Que tipo de interferências?”

“Lá vamos nós divagar outra vez...”

“E sem vinho. Tenha dó! Você tá acabando com a minha reputação! Como vou dizer que preciso de um vinho pra divagar se tô fazendo isso a seco?”

“Nessa semana já teriam sido ao menos cinco garrafas, ah, ah, ah! Acho que essa coisa de amor romântico é uma invenção do meio. As pessoas estão envolvidas e não tem muito como escapar, a mídia de uma maneira geral faz isso; se deixam influenciar por sonhos românticos, príncipes encantados, passando a viver uma espécie de alienação coletiva, tipo ilha da fantasia, criando expectativas que não encontram resposta, quando na verdade relacionamento é muito mais construção do que simplesmente a junção das duas metades da laranja.”

“Tipo o Gray de helicóptero me chamando na minha sacada pra jantar num restaurante suntuoso?”

“Isso! Tem mulher que passa a vida inteira sonhando encontrar um homem assim, maravilhoso, jovem, lindo, corpo atlético, rico, sensível, atencioso, educado, sem vícios, bom de cama, enfim, o cara perfeito, quando na real isso não tem.”

“Olha, pra mim o que dá pra esperar de uma pessoa é atitude, ser presente, amigo, parceiro, esse tipo de coisa. O resto é floreio meio desnecessário. Gosto de um certo cavalheirismo. Isso é interessante.”

“Eu assisti ao Cinquenta Tons. O cara nem bem apareceu e as mulheres atrás de mim começaram a suspirar. Olha o grau de lavagem cerebral que o meio faz. Aí elas querem encontrar um Gray.”

“Sabe quem é o meu príncipe favorito?”.

“Quem?”

 “Shrek.”

“Ah, ah, ah!”

 “É o mais normal de todos.”

“Sim, o mais autêntico. Não é uma ponta de iceberg. Você já viu restaurante em Dia dos Namorados?”

“Já, claro!”.

“Existe uma necessidade coletiva de ter de sair nesse dia. E aí se o cara não lembra de dar presente!”

“E ir parar numa fila de motel?!”.

“Nossa, você vai achar que eu sou um cara nada romântico. Nem bem começamos e tô eu aqui a falar mal do romantismo. Já tô perdendo pontos.”

“Bom, já é um alívio. Muitos pontos pra você! Só acho que tem que ter presente sim, eh, eh, eh!

Ao ver seu sorriso, teve vontade de lhe dar um beijo. Não pensou duas vezes.



Ilustração: Henri de Toulouse-Lautrec

Comentários

Analu Faria disse…
Sérgio, você não tem ideia da felicidade que sinto de ver personagens que pensam como eu : Shrek também meu príncipe favorito.
Zoraya disse…
Ohhhh, e eu acho q o Sergio é um romântico off-hollywood... mto legal a crônica, Sergio, como sempre!
sergio geia disse…
Analu, conheço alguém que pensa como vce rsrs. Ehhhhh Zoraya, será? rsrs brigadoooo
Anônimo disse…
Simplesmente perfeito! O verdadeiro retrato de um casal

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …