Pular para o conteúdo principal

NOVAS REGRAS E SUAS POLÊMICAS >> Clara Braga

Hoje tomei conhecimento de uma nova regra que as escolas deverão seguir, o que me fez lembrar de uma entrevista que assisti com o Gregório Duvivier. Na ocasião, ele contava sobre sua vida escolar e como um dia decidiu concorrer para ser uma dessas figuras de representante da escola, não sei dizer exatamente qual o cargo. Bom, mas isso não importa, o interessante é que ele contou que uma de suas ofertas, durante a campanha, era adaptar o horário do intervalo para que todos tivessem a mesma chance de chegar à cantina. Então, quem estudava nos andares mais altos da escola, teria alguns minutos extras para descer as escadas e não ser prejudicado com a fila que o impedia de comprar o lanche mais gostoso.

Achei muito interessante a proposta, afinal a hora do lanche e a fila da cantina são mesmo uma das maiores preocupações dos alunos. Porém, talvez hoje essa não fosse uma boa pauta para uma campanha, afinal novas regras estão chegando.

Refrigerante? Nem pensar!

Também esqueçam todo e qualquer tipo de fritura. A pipoca que parecia inofensiva? Só se não for industrializada.

Aquele chocolatinho para repôr as energias e adoçar a vida após o intervalo e a educação física? Nada disso! E aquele chiclete básico para tirar o mau hálito daquela cochilada durante a aula de matemática? Esquece, esquece e esquece!

Biscoito recheado, suco artificial, alimentos com alto índice de gordura saturada, tudo estará fora do alcance das mãos dos alunos. Nada disso poderá ser vendido nas cantinas, aquelas que ficam lotadas de crianças sedentas pela coxinha com Coca-Cola ou pelo hambúrguer transbordando ketchup e maionese.

Agora, só suco natural ou de polpa sem ser adoçado, frutas da estação, bebidas lácteas também sem açúcar, e salgado só se for assado.

Vai dizer que está errado? Não! Alimentação também faz parte da educação, e se a função da escola é educar, vamos lá, vamos cumprir nosso papel e oferecer uma alimentação saudável para o aluno. 

Porém, não vamos esquecer que a escola trabalha em parceria com a comunidade escolar, que inclui a figura de pessoas muito importantes mas que estão ficando cada vez mais ausentes, os pais. 

Se não houver um esclarecimento sobre essa mudança, sobre a necessidade e a importância da alimentação saudável, inclusive para um melhor aprendizado, de nada irá adiantar. Sabe o que vai acontecer? Os alunos passarão a não comprar mais lanche na escola, vão levar as mesmas opções não saudáveis de casa e nós continuaremos tirando sarro da Bela Gil que manda batata doce e fruta de lanche para a filha como se fosse ela quem estivesse errada! Não é irônico?

Comentários

Taí uma boa nova regra. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …