Pular para o conteúdo principal

Ó RAIOS! (Final) >> Albir José Inácio da Silva

Leia a Primeira Parte.

Leia a Segunda Parte.

Mas durante todo o dia encheram-lhe o saco perguntando por flores. Não se lembrava dessa procura toda. E a coisa piorou no final do dia, com as caçadoras de brindes florais. Mesmo quando não vinha nem mandava flores, a velha dava trabalho.

Às quatro da matina, como sempre, Seu Manuel arrastou seu jumento pela estrada para buscar frutas, verduras, secos e molhados. Pouca coisa, porque não vendia quase nada mesmo. Mas nesse dia trouxe lá umas flores, a ver se diminuía o aborrecimento causado pelo súbito interesse por lírios e rosas.

No dia seguinte teve de voltar ao mercado, não por causa das mercadorias, mas por causa das flores que acabaram logo, não atenderam às vendas e, menos ainda, à gratuidade. Para aumentar seu agastamento, Pício perguntou:

— Será que Dona Rosa tem o que comer?

A devoção a Santa Rita foi a única explicação que Seu Manuel encontrou para seu comportamento. Nunca se imaginou fazendo isso, mas ao final do dia mandou lá um dinheiro, como se tivesse vendido as flores do jardim da velha. Sobrou para o Pício.

— Pergunta ao teu patrão se ele quer mesmo que eu lhe diga o que fazer com este dinheiro! Por acaso eu posso sair daqui para comprar alguma coisa? Pegue o dinheiro de minhas flores e compre aqui estas coisas que eu preciso! — gritou Dona Rosa, entregando a lista.

O caixeiro amenizou como pôde o destempero da idosa. Mas isso não livrou seu patrão da apoplexia.

— Que dinheiro? Que flores? Ela por acaso me mandou alguma flor? Nunca me casei para não ter de lidar com isso! Agora cai-me no colo uma velha entrevada e louca!

Mas a situação se estabilizou, com Seu Manuel comprando flores todos os dias, vendendo muito e distribuindo o que sobrava. Ele até já gostava do sorriso das moças quando recebiam as flores, das vendas no balcão e das encomendas, que agora não paravam, para casamentos, batizados, enterros e festas municipais. As verduras e os legumes foram perdendo espaço por causa dos supermercados e não passavam agora de uma pequena banca no meio da loja de flores.

Os fornecedores satisfeitos com o volume de compras passaram a entregar as flores todas as manhãs. E Seu Manuel teve de contratar mais funcionários para dar conta dos buquês, coroas e arranjos que a cidade precisava. Mandou também capinar o quintal e cuidar do jardim de Dona Rosa. Ela ia se recuperando, mas sem muita disposição para trabalhar ou entender melhor a situação.

Tem razão o leitor quando pensa que a implicância é irmã da paixão. E isso conduz sua cabeça romântica a pensar em amor, casamento e felicidades outras, já que solitários os nossos personagens. Mas não posso ajudá-lo nisso. Dona Rosa partiu.
  
Ainda agora o leitor prefere pensar que ela regressou a Portugal, aos cuidados dos seus, mas preciso dizer que ela morreu. Seu Manuel cuidou do enterro, das homenagens e chegou a dizer palavras carinhosas que jamais diria em vida, sempre sussurrando de lado que ela era uma velha tinhosa.

Bem mesmo vão os negócios.  A floricultura abriu três filiais na cidade, uma no município vizinho, e não para de crescer. Seu Manuel tem gerentes, compradores, vendedores e passa o dia circulando pelas lojas a ver se tudo está direito.

A única coisa de que ainda cuida pessoalmente é, ao final do dia, distribuir flores em frente às lojas. Tem sempre um sorriso e é conhecido como um simpático e generoso velhinho. Só os antigos se lembram do quitandeiro resmungão.

Uma topada dolorosa ou mesmo uma crise de seu próprio reumatismo sempre dá a Seu Manuel a certeza de que alguém está a reclamar cuidados com o túmulo. E ele grita para o seu agora secretário:

— Ó Pício, troca lá as flores de Dona Rosa!

Comentários

Zoraya disse…
Ai, Albir, vc exagerou na emoção. Como dizer que amei, amei, amei, essa sua linda históira, escrita com a maestria de sempre? Obrigada pelos momentos! Beijos
Linda conclusão, Albir. :)
albir silva disse…
Obrigado, Edu e Zoraya, sempre!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …