Pular para o conteúdo principal

GAROTA, INTERROMPIDA - PARTE II - Analu Faria

Garota, Interrompida (Parte I)


Dois minutos se passaram e Carmela parecia não estar perto de seu objetivo.

— E se eu não me lembrar? — perguntou a velhinha, aflita com o fato de morrer sem ter completado uma última e simples missão.  — Porque, olha, já se passaram dois minutos e...

— Um minuto e cinqüenta e seis segundos.

— O narrador disse que já se passaram dois minutos.

— Ah, Carmela... você está prestes a morrer e ainda confia na precisão do narrador?

Carmela, desconcertada, esperou um pouco mais, antes de quebrar o silêncio.

— Eu não estou conseguindo me lembrar. Você vai me levar mesmo assim?

— Não, eu disse que te esperaria e vou esperar.

Mais alguns minutos se passaram, sem qualquer palavra do anjo ou da futura defunta. Carmela começava a se desesperar, mas já não sabia se era pelo esquecimento ou pela morte iminente. Não pensava em morrer agora, nem nos próximos meses, nem nos próximos anos. Pensou nos filhos que não teve e, por alguns segundos, arrependeu-se de não ter prole. Talvez porque tivesse passado a infância e boa parte da adolescência em orfanatos, não quis ter filhos — costumava dizer que quem não teve mãe não saberia o que fazer quando se tornasse uma. Pensou também em Agenor e em todos os encontros e desencontros da longa vida a dois. Lembrou-se, por último, da prima querida.  Luíza foi quem tomou para si o papel de ser a família de Carmela. O pai desta a abandonara, a mãe morrera no parto. Os tios — pais de Luíza e únicos parentes de Carmela — não quiseram criar a sobrinha. “Você sabe como é, já temos uma menina a caminho, não temos condições.” Nunca se sentiram responsáveis, nunca tiveram remorso. Visitavam Carmela em datas comemorativas e, de vez em quando, depois de algum sermão mais longo na igreja, apareciam no orfanato. Luíza ia sozinha, muitas vezes, à Casa São Judas Tadeu, brincar com Carmela. A proximidade continuou pela vida afora.

Luíza também se fora, há dois anos. Foi interrompida por um infarto no meio de sua viagem dos sonhos. Carmela gosta de pensar que a prima morreu feliz. Emocionava-se toda vez que imaginava a morte de Luíza, ascendendo aos céus com um chapéu de praia e aquele maiô azul chique, que esperara tanto para ser usado. Carmela sentiu as lágrimas nascerem nos olhos.

— Luíza?

— Sim. Sempre me emociono.

— Talvez você possa encontrá-la.

A mulher soluçou. Sentia tanta coisa ao mesmo tempo, que não sabia se expressar. Acima de tudo, porém, teve raiva:

— É assim que você quer me convencer a ir com você? Senhor anjo Gabriel Buendía, o senhor é um... um... enganador! É parte de todo esse esquema.

— Que esquema, Carmela? O anjo disse, com genuína empatia pela senhora.

— Esse esquema que acaba com tudo, que interrompe nossos planos. Nós temos planos, sabe, senhor anjo? A Luíza, por exemplo, só queria ver a água verde do sul da Bahia. Só isso. Aí vêm vocês e mandam um infarto, pronto, acabou-se! Meu Agenor vocês levaram também de repente, nem um aviso, nada. Ainda trabalhava, coitado, aos sessenta e nove anos. Estava no meio de um projeto e aí... aquele derrame. Agora... agora eu é quem sou interrompida.

— Interrompida?

— Sim. Interrompida. Olha, eu vim aqui só pegar uma xícara e...

Uma xícara! Carmela estacou. O anjo sorriu calmamente para ela. A mulher, estupefata, levou a mão à testa. Uma xícara! Uma xícara! Gabriel continuava sorrindo, benevolente. Não se via mais qualquer rastro de irritação em seu rosto. Tinha, porém, um ar de quem sabe que está certo. Carmela desconfiou que aquela criatura era paciente demais para um anjo da morte:

— Você sabia o tempo todo?

— Sim. E a xícara nem está mais aqui — apontou para o criado mudo, que tinha uma marca redonda escurecida, feita pela xícara de chá preto que Carmela havia levado para a sala, um pouco antes.

— Eu me confundi. Já tinha levado a xícara...

— Sim — o anjo continuava sorrindo.

— Mesmo assim, o senhor sentou-se aqui, esperou.

— Sim.

— Por quê?

— Não sei, Carmela. Talvez porque você tenha sido a primeira pessoa que tenha se recusado tão veementemente a ir embora, por conta de um “plano” tão simples como lembrar-se de algo que veio pegar no quarto. Confesso que eu estava meio irritado, mas sua relutância também foi um pouco tocante.

— Eu me sinto uma idiota.

— Vocês humanos são todos meio idiotas.

— Mas é que... eu estava no meio de algo tão simples. O Agenor, por exemplo, estava trabalhando, sabe, era um projeto importante e... a prima Luíza estava realizando um sonho. Eles foram interrompidos fazendo coisas tão... nobres! E eu fui interrompida fazendo uma coisa tão banal!

— E você acha que isso faz alguma diferença? Para mim, para o Depois? Todos deste mundo foram e todos serão, um dia, “interrompidos”. Buscando uma xícara de chá, ou se confundindo em fazer isso, como você fez, salvando a vida de alguém, tomando um café, indo para o trabalho, dormindo, enchendo a cara, parindo, pulando de paraquedas, depois de ter recebido uma promoção, pouco antes de vencer uma corrida, no meio do tratamento, fazendo sexo, limpando a casa, praticando ioga ou narrando uma história: é assim que vocês todos partem.

— Narrando também? Achava que os narradores não morriam.

— Narrando também. Eles são mortais, ora.

Carmela conformou-se. Se até os narradores morriam, ela aceitava, então, a inevitabilidade do fim.

— Você disse que talvez eu veja a prima Luíza. E... Agenor, também?

— Sim, talvez veja os dois. Mas eu não tenho certeza.

— E o narrador? Quando o verei novamente?

— Em breve, Carmela. Já recebi as ordens para “interrompê-lo” — na sua definição.

Carmela levantou-se e tomou um ar solene. Suspirou profundamente, juntou toda a coragem que tinha, segurou a emoção.

— Bem, então, senhor anjo Gabriel Buendía, eu vou com o senhor. Estou pronta.

O anjo também se levantou, ofereceu a mão a Carmela, que aceitou. Em seguida, os dois caminh



Fim.

Comentários

albir silva disse…
Analu, se pudesse escolher um narrador para minha interrupção, seria você.
Impossível ler uma vez só!
Anjo produtivo esse: duas interrupções de uma visita só. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …