Pular para o conteúdo principal

CATIVEIRO >> Carla Dias >>


Olhos fechados. Quem sabe há quanto tempo? Ele não sabe dizer. Ela não tem ideia de quanto ou quando. Prostrados diante de quem? Há quantas horas, dias, vidas? Braços ao lado do corpo, estirados, apesar do desejo pelo movimento. Nunca sentiram tanta falta de serem autores de acenos. De sentir o vento bater na palma de suas mãos.

Ouvidos atentos. Escutam palavras de quem? Ele não precisa saber, porque qualquer palavra que não ofenda soa alento. Qualquer conversa que o alcance lembra a ele que há mundo lá fora. Ela é menos otimista, e lamenta não haver como não calar a felicidade alheia que lhe chega a cada vez que abrem a porta que os separa do mundo.

Ao acordarem, uníssono despertar, ele beija a fronte dela, inspirando-lhe um estrangeiro arrepio. Ela se amiúda para caber no abraço que ele não pode lhe dar. Trocam palavras desconexas, apenas para se lembrarem do som de algumas delas. Ele diz “bom dia”, a voz carregada de esperança de que essas palavras prefaciem a realidade. Ela rebate com esgar, “é só mais um dia, depois de outro, antecedendo o próximo”.

Quando não conseguem evitar estar em casa em um mesmo momento, eles se perdem pelos cômodos, e cada qual tem o preferido. Ele cuida de seus assuntos na biblioteca. Ela cuida de sua vida na sala de estar. Encontram-se, solenemente, na hora do jantar, diante de uma mesa posta com cuidado que um dia tiveram um com o outro. Reverberam palavras necessárias, embasadas na cordialidade dos que não sabem viver juntos, mas acreditam ser impossível viver separados.

Não imaginaram, às malhas do pessimismo mais aguçado, que um dia se tornariam prisioneiros um do outro. Viveriam à mercê de um cativeiro emocional, cerceador da espontaneidade que a vida exige, a fim de ambientar levezas em espíritos atordoados. Se não levezas, levantes.

À noite, eles desmontam como se fossem fantoches sendo desprezados pelos seus manipuladores. Caindo um sobre o outro, amontoam-se feito sacas de batatas. Permanecem estáticos por tempo que já não sabem contar. Segundos já se arrastaram como se fossem horas. O tempo pode ter ritmo contínuo, mas para eles, ele é volúvel e quase sempre se arrasta, atuando como coletor de desmedida desesperança.

Assim, eles se perdem fácil um no labirinto do outro. Caem na conversa fiada desse arrebatador silêncio que os cerca, desagrega, aflige e destempera. Caem no sono, em um tímido roçar de pernas, tão cansado está o desejo deles de espiar tais abismos.

Um sofrendo de devaneios e o outro de espanto infinito.


Imagem © Maria Amaral

carladias.com


Comentários

Zoraya disse…
"À noite, eles desmontam como se fossem fantoches sendo desprezados pelos seus manipuladores." sen-sa-ci-o-nal!!!
Anônimo disse…
Verdadeiro cativeiro emocional mesmo. Triste realidade de muitos. Ótimo texto. Parabéns!
Carla Dias disse…
Analu... Obrigada. :)

Zoraya... Obrigada. :)

Anônimo... Obrigada. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …