Pular para o conteúdo principal

SURDEZ MUSICAL >> Clara Braga

Não importa o quão bem você escuta, com certeza seu ouvido já te pregou algumas peças e a maioria com certeza rendeu boas risadas. O meu clássico engano foi com um famoso ditado popular: "Quem canta seus males espanta"! Passei nem sei quantos anos da minha vida dizendo: "Quem canta seus mares espanta!" Um erro bobo, mas que faria muita gente surtar sem saber o que escolher: lavar a alma cantando junto às alturas aquela música predileta e nunca mais dar um alô para Iemanjá ou curtir uma prainha ouvindo um ipod tímido só batendo o pezinho no ritmo.

Mas nem só de ditado popular errado vive o homem, no caso, eu. Músicas também são alvos constantes de mudanças drásticas. Costumo me apropriar de uma piada de um desses humoristas e dizer que o parâmetro para saber se você tem ou não ouvido bom são as músicas do Djavan. Não entendeu? Eu explico.

Minha falha mais “grave” até hoje foi com uma música do Capital Inicial. Não vou falar quantos anos da minha vida passei cantando errado a letra de Veraneio Vascaína pois seria muito vergonhoso, mas a verdade é que eu não sabia o que era veraneio. Sim, eu sei, é uma daquelas palavras que todo mundo sabe o significado e você não, mas enfim, isso não vem ao caso. No início da letra, Dinho Ouro Preto diz: "Cuidado pessoal, lá vem vindo a veraneio, toda pintada de preto, branco cinza e vermelho". Como eu não sabia o que era veraneio, decidi que era uma avenida, então sempre cantei: "Cuidado pessoal com a avenida veraneio, toda pintada de preto, branco, cinza e vermelho". Nunca busquei saber onde ficava a tal da avenida, só sabia que não era em Brasília, já que ela tem esquina, então já fiquei mais tranquila.

O legal é o momento em que você descobre a letra verdadeira. Parece que seu ouvido desentupiu. Você fica se questionando como pôde ouvir uma letra tão absurda por tanto tempo. E se esse problema com letras de música não for inerente à raça humana, com certeza é genético. Minha mãe conseguiu fazer uma confusão tão louca com uma letra da Maria Bethânia que eu nem sei reproduzir, misturava palavras não existentes no dicionário português com outras que só os nossos ancestrais usavam. Já meu pai, fez Elis Regina se revirar no túmulo e Belchior estremecer. Enquanto ela cantava, "mas é você que ama o passado e que não vê", na música Como Nossos Pais, meu pai acompanhava: "Mas é você que é mal passado e que não vê". Sim, MAL PASSADO, tipo carne na churrascaria rodízio.

Então as pessoas se perguntam: mas será que as pessoas não percebem que essas letras inventadas não fazem sentido? Sim, percebem, e é exatamente nesse momento que nós voltamos a falar do Djavan. As pessoas percebem que algo não faz muito sentido, mas existe uma coisa na música chamada licença poética que faz com que coisas estranhas, e às vezes fora do que seria considerado a norma, sejam aceitas. Portanto, a regra é clara, se você canta uma música do Djavan e a letra tem tanto coerência quanto concordância, bem vindo ao time, seu ouvido não é muito confiável!

Comentários

Ri a valer, Clara. :))
Djavan é mesmo um desafio para qualquer ouvido. Não sei como eu ouvia antes, mas fiquei chocado quando uma amiga cantou o correto "nem que eu bebesse o mar, encheria o que tenho de fundo".

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …