Pular para o conteúdo principal

CHAMAS >> Zoraya Cesar

Não era o sujeito mais brilhante do mundo; era, até, meio bronco, mas Gilmar conseguiu passar na prova para o Corpo de Bombeiros. Raspando. O que o salvou foi a prova física, na qual tirou nota máxima.

Um uniforme, vocês sabem, atrai mulheres como formigas no pão doce. E Gilmar era calmo, pacato. Não gostava de farras, jogatinas, churrascadas.

Não à toa, portanto, que Lucinha, a meiga, simples, sonhadora Lucinha, de crespos cabelos negros e grandes olhos castanhos, apaixonou-se por ele. O bombeiro, como sabemos, era meio devagar para perceber as coisas, mas os amigos, esses o alertaram que a moça mais bonita e valorosa da região estava a fim de um relacionamento sério.

Casaram-se. Casaram-se e tiveram uma filha. Lucinha trabalhava de doceira, quituteira e, eventualmente, faxineira. Tudo pela família, para ajudar nas contas e crescer na vida com seu amado Gilmar. 

A vida seguia tranquila. A vida sempre segue tranquila até deixar de seguir, não é mesmo?

Pois teve uma noite em que a equipe de Gilmar socorreu as vítimas de um sobrado em chamas. Ele subiu até o terceiro andar, para resgatar a última refém do fogo.  

No instante em que a viu, seu coração incandesceu. Lá estava ela, acuada pelas labaredas, seus cabelos tão rubros quanto o fogo que a cercava, os olhos reluzentes e destemidos de quem sabe que a morte é inevitável, mas, nem por isso, deve ser aceita sem luta. Seminua, seu corpo brilhava pelo suor que escorria nas suas ancas grossas e peitos grandes, toda ela exuberando sensualidade.

Agarraram-se ali mesmo, no meio do turbilhão de fogo que os envolvia, um corpo derretendo contra o outro.

Tornaram-se amantes. A incansável espanhola Estelita inflamava Gilmar com o conhecimento que adquirira em sua vida de dançarina da noite, dançarina que atravessara o oceano para perder-se em outras terras e encontrar, enfim, o amor.

Um amor que, a cada dia, mais se alastrava em suas almas, como fogo em campo aberto.

O sereno, plácido, quase bovino Gilmar transformara-se num esfaimado, devorador insaciável, que tinha sede e fome constantes da pele, do cheiro, da presença de Estelita, e dela somente. Consumiam-se nas chamas da carne, cada vez mais vorazes, cada vez mais dependentes do corpo um do outro, numa lascívia imensurável. Gilmar queria que Estelita largasse da vida. Estelita dizia que só casando. Gilmar não conseguia mais ficar sem ver Estelita, tocar Estelita, se perder em Estelita nem um dia sequer.

Convenceu Lucinha a contratar uma ajudante — Estelita, claro — para ajudá-la nos afazeres domésticos, cada vez mais pesados, por causa da criança.

E assim, três vezes por semana, Estelita dormia na casa de Gilmar que, mal a esposa caía no sono, corria para o quarto da amante, sedento, onde se devoravam rápida e vorazmente, numa ânsia quase ululante. Depois, ele passava o resto da noite virando-se na cama, o sono inquieto, tenso como um fio desencapado. A mera existência da esposa o incomodava. Divórcio não estava nos seus planos, Lucinha ficaria com boa parte de seu salário, e isso era impensável. Sua amásia gostava de roupas e perfumes caros, ele não podia prescindir de um centavo sequer.

Engendraram, ambos, um meio para se livrar do estorvo: forjariam um acidente no qual a casa explodiria, junto com Lucinha. A experiência de Gilmar como bombeiro garantiria que não seriam deixadas pistas, e ele daria um jeito de a criança não estar presente.

A explosão foi violenta, seguida por um incêndio arrasador. Da casa, os bombeiros encontraram apenas cinzas, iluminadas, aqui e ali, por umas poucas labaredas alaranjadas e azuis. Uma fumaça escura tentava subir  em direção ao céu, mas era espalhada pelo vento.

Durante o funeral, Lucinha devaneava sobre as ironias da vida. Tanto fizeram, os dois amantes, que passariam a eternidade juntos, as cinzas misturadas e enterradas sob a mesma Terra da qual quiseram expulsá-la.  

O tonto do Gilmar acreditou que ela não perceberia suas mudanças de comportamento, suas maneiras ríspidas, os rancorosos olhares de soslaio, o jeito de andar pela casa como um touro enjaulado. Somente aquele parvo creria no sono profundo da esposa enquanto ele se enrabichava com a ‘ajudante’.

Durante semanas, Lucinha engoliu o choro, mortificada. Não tinha para onde ir, não tinha a quem recorrer, nem como provar a infidelidade do marido. E tinha pavor de que ele tentasse tirar-lhe a criança. Mas a paciência é a arma dos fortes. Esperou.

A grande sorte, porém, foi que, de tão inquieto seu sono, Gilmar falava enquanto dormia. E o que Lucinha ouviu foi suficiente para virar o jogo a seu favor, pois, o que o marido tinha de desapercebido — tomado que estava pela luxúria —, ela tinha de sagaz. Não vivera com um bombeiro sem aprender algumas coisas. Adiantou o relógio que deflagaria todo o mecanismo da explosão num dia em que, ela sabia, Gilmar estaria em casa — com Estelita, claro — e foi passear com a filha. 

Agora estava ela, viúva — não mais meiga, simples ou sonhadora —, com a pensão de sargento do marido traidor, e livre: dos amantes que pretendiam matá-la; da humilhação; do medo de ser mandada embora de casa, ou, pior, de ser mandada pelos ares.

Em homenagem às chamas que a libertaram, pintaria o cabelo de vermelho. Olhou em volta. O tenente do batalhão parecia ser um homem interessante...

Comentários

Anônimo disse…
Mais dois defuntos na sua lista!

E nenhum detalhe mais "picante" do "rala e rola" dos amantes, principalmente!
E quando a Lucinha começou a pensar em "brincar" acabou a crônica!
Assim não pode, assim não dá para ganhar dinheiro!

Dê uma olhada nos livros da Bruna Surfistinha e da Andressa Urach (veja o link desse abaixo). O de uma virou até filme e da outra está vendendo feito água!

http://www.batanga.com.br/1482/orgasmo-com-cachorro-veja-10-revelacoes-bombasticas-de-andressa-urach-em-livro
Ana Luzia disse…
Ai, Zô, que dureza, viu amiga?

Nem mesmo um Gilmarzinho bocó é homem que o valha, tomara que o tenentinho o seja...

ou, se bobear, Felipe Espada pega Lucinha com a mão na massa quando tiver dando outro golpe da viúva de cabelos vermelhos!

beijo!
Anônimo disse…
Muito bom! mais um crime perfeito! hahaha
Clarisse disse…
"Manchete de jornal: bombeiro apaga fogo de amante e acaba carbonizado pela esposa" - kkk adorei
Erica disse…
Mas que maquiavélica essa mente que sempre consegue virar o feitiço contra o feiticeiro! rs Quem dera na vida real isso também acontecesse assim... Mas, como não acontece, a gente vai lavando a alma na ficção mesmo..rs
Anônimo disse…
Muito bom! Prendeu minha atenção do início ao fim. Quantos Gilmar, Lucinha e amantes fogosas são personagens reais na vida! Agora, o melhor em suas estórias é a presença da lei do retorno. Parabéns!
Anônimo disse…
ainda bem que nos seus contos as mulheres sempre deixam de ser bobas e dão o troco ceeeerto!!!
albir silva disse…
Brilhante a Lucinha. Acho que ela vai voltar.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …