Pular para o conteúdo principal

AQUI >> Carla Dias >>


Venho aqui, não sei se suficientemente delicadamente, ou se com o charme imprescindível para fazer esse feito necessário. Ainda não sei se a minha mente está no lugar a ela reservada ou se perdida no aconchego de um engano aparente, sujeitada ao cargo de produto recém-lançado exposto em expositor requintado de supermercado.

Acontece que aqui estou e com gana de quem deseja profundamente encher de flores qualquer antessala. Anteceder azedume para curá-lo em tempo com bala de café. Benzer a fronte do deus mais humilde que a vida — ou Hollywood — há de criar.

Venho aqui, porque ali meus pés queimaram em terreno descampado de delícia, e diferente do que dizem os pudicos, delícia é bom de um jeito...

Deliciar-se é imperativo.

Depois de reverberar uma delícia, o ser, ele que há tempo indefinido estava preso entre os dentes da lugubridade, ilumina recintos como se fosse farol indicando caminho. Seu corpo se esquiva da curvatura, aprumando-se como só são capazes de se aprumar os que não têm medo de correr o risco de embebedar-se de felicidade. E se você abriu a boca para soltar palavras contestadoras da existência da felicidade, peço gentilmente, de gentileza empertigada, que as engula. Não em engasgo, mas em reconhecimento de que você, tampouco eu, não somos donos da verdade.

Você pode até não entender bem aonde quero chegar. Quanto a isso, despreocupe-se. Tampouco eu sei aonde esse tempo me levará, ou essa busca, essa vontade singela de me espreguiçar, então me deitar e dormir para visitar sonhos, e neles encontrar aqueles que ainda não conheço acordada, mas que me enchem de um abrandamento necessário para encarar realidade quando ela dá de ser desmedida e salafrária. Tampouco eu sou graduada na ciência da compreensão imediata a respeito de profundidade nada geográfica. Sobre geografia sou teórica, às vezes imprópria, em outras, insana. Meus pés andam raízes, desde que nasci. Gasto quilômetros em passos nos mesmos espaços, desde sempre. Já a alma, essa vive de viagens.

Venho aqui, porque não me incomoda se o seu pensamento diverge do meu, e nem sempre de maneira bem-educada. Nem mesmo se você acha que sou menos que você, fazendo essa conta sobre o que nunca foi contável. Ainda que grite inverdades, a fim de corroborar impropérios, ah, eu venho desarmada para observar essa relutância em compreender matizes, que sempre fui apegada à ousadia emocional.

Quando se trata de pessoas, gosto de observar de perto. Às vezes, é impossível não sofrer um tanto que seja e ter de experimentar da deselegância de quem não sabe pedir ao outro que se retire sem que seja aos berros. Em outras, eu tenho sorte, e alguém me convida para ficar.

Eu fico até chegar a hora de seguir adiante.

Venho aqui, não sei se serenamente como deveria, trazendo esperança de companhia, em nome do que me espera adiante. Esse meu lugar de sempre, de ruas reconhecidas diariamente, pelas quais desfilo a atualidade da minha alma itinerante. Onde me sento no meio-fio para observar os que passam, trazendo novidades e palavras para eu pronunciar pela primeira vez.

Imagem © Berény Róbert

carladias.com

Comentários

Que venham e continuem vindo essas lindezas bem-vindas...
Zoraya disse…
Cada vez melhor, Carla. Venha sempre aqui, como quem vc quiser, é sempre uma delícia, e estamos precisados de delícias.
Lilu disse…
Amei essa realidade quando dá de ser desmedida e salafrária. Amei outros muitos pedaços também. Grata.
Carla Dias disse…
Eduardo... Amém :)

Zoraya... Aqui eu voltarei sempre!

Lilu... Obrigada!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …