Pular para o conteúdo principal

O TRISTE >> Carla Dias >>

Sim, ele é triste.

Ser triste é o que lhe confere o direito de ser pessoa, já que as outras pessoas não sabem reconhecê-lo de outra forma. É triste de tristeza sombria, das que levam sua vítima ao cúmulo da solidão.

Muitos querem entender como uma pessoa pode ser assim tão triste. Há quem passe horas a aconselhá-lo, que melhor seria se ele mudasse de ares, talvez de país. Quem sabe terapia, grupo de apoio, tarja preta, intervenção religiosa... Esportes? Teve até quem garantisse que isso era falta de intimidade e lhe oferecesse o décimo terceiro salário inteirinho para que ele, o triste, sofresse da alegria de se esparramar nos braços de uma mulher.

Aquele ser triste embrutecia o dia dos felizes de plantão, eles que nem conseguiam sorrir mediante a tristeza que possuía aquele ser. A tristeza dele se tornou tópico de todo o tipo de reunião, principalmente de condomínio.

Mediante o desejo pungente de consertá-lo, o triste até tentou e participou de uma série de eventos: churrascos aos sábados de amigos que ele não fez, almoços em família alheias aos domingos, sessões de carinhos na casa das meninas da Dona Lulu, shows de rock, funk carioca, sertanejo, stand up. Em todos os eventos, as pessoas o abraçavam e fotografavam. Criaram um perfil para ele em rede social que fez o maior sucesso. Mais de oitocentos desconhecidos se tornaram seus amigos.

Ainda assim, nada de felicidade.

Os felizes se tornaram mais carrancudos, tão incomodados que se sentiam por não conseguirem reverter aquele quadro. Tornou-se questão de honra fazer a felicidade do triste. A cada tentativa, um desapontamento.

Com o tempo, as pessoas foram desistindo de fazer o triste feliz. Revezavam-se nas visitas, mas em vez de palestrarem sobre as mil maneiras de arrancar dele a tristeza, sentavam-se ao lado dele, silentes.

O triste nunca compreendeu a necessidade gritante das pessoas de tentar lhe curar a tristeza. Na verdade, julga-se quieto, sem desejo por atos ousados, emoções explícitas. E mesmo sem nunca ter se sentido mal sendo quem é, foi visto como alguém quebrado, que, enquanto não fosse consertado, atrapalharia a existência dos outros.

Não, ele não é somente triste. Seu espírito se entusiasma, mas com coisas simples e cotidianas. Sua felicidade é silente, mas existe. As pessoas podem não reconhecer, por estarem acostumadas ao explícito, mas ele sente contentamento. Aventurou-se a explicar sua essência aos que tentavam ajudá-lo sem que isso fosse realmente necessário, mas eles não quiseram escutar. Continuaram a tentar moldá-lo, adaptá-lo, incluí-lo no que ele nunca desejou. Agora, sentam-se ao seu lado, tristes, infinitamente tristes, porque foram incapazes de compreender as nuances da sua felicidade.

Procurar a si no outro é diferente de conectar-se a ele.

Imagem: Visages © Hedda Sterne

carladias.com

Comentários

Carla, eu ia dizer para você parar de me bisbilhotar, mas como o resultado é sempre tão lindo, pode continuar. :)
sergio geia disse…
Certa vez esbarrei numa frase que me marcou. Tem gente que diz que o livro tal, o disco tal, o filme tal impactou sua vida. Transformou-o. Pra mim foi essa frase. Perguntaram ao poeta Fernando Pessoa o que ele gostaria que escrevessem em sua lápide. Ele respondeu: "Fui o que não sou". Desde então eu me impus a ser o que verdadeiramente sou. Pelo menos estou tentando rsrs. Eu ainda vou escrever alguma coisa sobre isso. Linda, Carla! Linda!
Zoraya disse…
Que beleza, hein, D. Carla? Mais uma pra coleção de maravilhas q vc escreve!
Carla Dias disse…
Eduardo... Sempre melhor ter autorização :) Obrigada!

Sergio... Que lindeza de citação. Descobri na prática que a gente pode tentar, mas dificilmente alcançaremos o nosso verdadeiro eu. Mas isso porque somos sim mutantes. A essência fica, mas nos lance uma frase dessa como a de Fernando Pessoa, e pronto, começamos a nos reescrever.

Zoraya... Agradecida :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …