Pular para o conteúdo principal

O CONDEMÔNIO >> Albir José Inácio da Silva

Um professor de direito civil dizia sempre que condomínio não dá certo porque já começa errado pelo nome. Deveria se chamar condemônio.

Não acredito nisso. Deve haver lugares em que as pessoas vivam em harmonia. Mas a história de hoje com certeza não se passou num desses lugares.


- É a cota de condomínio mais cara do bairro, e um prédio caindo aos pedaços! Só eu vejo isso? Aonde vai o nosso dinheiro? – esbravejou Dona Francisca, engasgando o pobre síndico reeleito, Dr. Cunha.

Ela interrompia a cada cinco minutos. A reunião não andava. Dona Francisca parecia uma velhinha indefesa, mas quando abria a boca não poupava ninguém. Há anos revoltava-se sozinha contra os desmandos no edifício, os outros moradores pareciam anestesiados.

- Eu ainda vou descobrir o que acontece aqui! – dizia, insinuante.  Atenta, ela circulava silenciosamente pelo condomínio, assustando quem eventualmente estivesse em flagrância mesmo de alguma bobagem. Por isso as más línguas a chamavam Dona Fuxica.

 O presidente e síndico perdeu a paciência:

- Dona Francisca, eu posso continuar? Estou aqui tentando explicar, mas a senhora não deixa. Ninguém gosta de condomínio caro, eu também não gosto, mas é a inflação, produtos e serviços estão um absurdo. Eu não posso fazer milagres.

Ninguém sabe como o Dr. Cunha conseguia se eleger. Garagem escura, vazamentos, infiltrações, revestimento caindo, lâmpadas queimadas nas escadas e elevadores parando a cada dois dias. Além disso, compras eram feitas e não entregues, serviços pagos e não executados.

Dona Francisca dizia que ele visitava apartamentos, não lançava multas, priorizava unidades e distribuía brindes de fornecedores àqueles que o apoiavam. Resultado: contados os votos, Dr. Cunha de novo.

Quando Dona Francisca ficou quieta por dez minutos, o síndico finalmente conseguiu apresentar seu projeto em cinco pontos para salvação do condomínio. Era um plano simples, mas genial:

1)      Iniciar as reuniões, doravante, com uma prece porque problemas condominiais que se arrastam por anos só podem ser de natureza espiritual. E todos sabemos dos pecados que essas nossas paredes escondem;
2)      Aumentar a cota de condomínio e instituir cota extra para melhorias que ainda vamos planejar;
3)      Aceitar doações de fornecedores e prestadores para reformas e serviços, mediante exclusividade nos contratos. A Vinícola São Joaquim, por exemplo, pretende doar uniformes para nossos funcionários. As camisas teriam o nome do edifício e a logomarca dos produtos de nossa coirmã;
4)      Autorizar a instalação de uma loja de conveniência no pátio, para conforto dos condôminos, que seria construída e gerenciada por A.J.Santos & Cunha Materiais e Serviços Ltda;
5)      Retirar ou impedir o acesso de quem estiver atrapalhando o bom andamento dos trabalhos nas reuniões. Isso inclui quem ficar vendo pornografia no celular como tem acontecido.

Uma voz débil foi ouvida no fundo da sala, não ficava bem propaganda de bebida alcoólica na roupa dos funcionários com tanta criança no prédio. Mas o Dr. Cunha tranquilizou:

- Não se preocupem, vinho é bebida sagrada. Até Jesus bebia e multiplicava vinho.

Nada débil foi a voz de Dona Francisca quando se levantou:

- Era o que faltava, uma birosca! Uma loja de inconveniências, isso sim! Daqui a pouco vão vender maconha nesta pocilga!

Mas Dona Francisca não era só de falar. Juntou pastas, livros, notas e contratos que estavam na mesa e, sob atônitos olhares, saiu com seu passinho miúdo e decidido.

- Dona Francisca, a senhora não pode fazer isso!

- Posso sim, eu sou conselheira! No STF ficam um ano olhando um processo. Vou confrontar fornecedores e contratantes, vou na polícia se preciso for.

A reunião foi adiada com o presidente dizendo que assim ficava difícil fazer um bom trabalho.


O edifício acordou com o grito da empregada. Dona Francisca estava suicidada de joelhos, enforcada na grade da janela, a la Vladimir Herzog.

Uma moção de pesar foi consignada na ata da reunião naquele dia. O que, aliás, não foi a única homenagem.


Dois meses depois, um sorridente Dr. Cunha e a A.J.Santos & Cunha Materiais e Serviços Ltda inauguravam a loja de conveniência, descerrando a placa de metal em que se lia: CONVENIÊNCIA E LANCHES DONA FRANCISCA – sempre perto de você.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …