Pular para o conteúdo principal

A MENINA DO PÔSTER >> Carla Dias >>


Nasceu meio torta, esquisita mesmo, como gostavam de dizer as meninas descoladas da rua onde morava, as mesmas da escola que frequentava. Beijar pôster de artista, antes de dormir, e bater papo com eles sobre seus sonhos para quando se tornasse adulta, renderam muitas zombarias, algumas capazes de magoar naquele tom de poesia pós-aquisição de tristeza porreta e completamente indesejada.

As meninas ficaram sabendo do seu segredo, porque, sem querer, o irmão comentou com elas. Ele é popular, adora impressionar as meninas, então embarcou na curiosidade delas sobre a irmã. Foi o que bastou para que elas tivessem assunto para semanas.

Tirando essa zombaria sem fim, a menina acredita que pode falar com quem quiser, ou com o quê. Ela conversa com o zelador e com Soraia, do apartamento 32, que vive no prédio desde muito antes que a menina e adora incenso. O Ludovico, moleque danado do apartamento 34, disse que ela é Hippie Chic. A menina não sabe o que é isso, mas gosta do cheiro dos incensos.

Outro dia, teve uma longa – e exaustiva – conversa com seu reflexo no espelho do elevador, que quebrou e o zelador, Seu Genival, demorou a resolver a questão. Ela bate uma caixa com os santos, às vezes até revigora a rebeldia, e convoca alguns demônios para o disse-que-disse. Tem pudor nenhum essa menina, quando se trata de conversa. E o beijo antes de dormir? No pôster? Ah, vá... Vocês nunca beijaram nada parecido? Capa de disco modelo Long Play, foto na revista, anúncio de iPhone de última geração? iPhone de última geração?

Hoje a menina não está para conversa. Andando de cabeça baixa, quando não de cara amarrada, como se tivesse letreiro na testa: “não fale comigo!”. O zelador estranhou por demais, quando ela passou por ele sem lhe oferecer o rotineiro – e sempre agradável – “bom dia”. Seu Genival sentiu uma dorzinha no peito, acostumado que está a ser agraciado com a graça da menina.

Ela encontra Soraia voltando do passeio com o Hendrix, seu Rottweiler preferido. Os outros três ficam no sítio dela, em Jaboticabal: Joplin, Morrison e Cobain. A menina levanta o olhar e cala o sorriso da mulher com a tristeza exposta neles, que lhe pergunta se está tudo bem. A menina se ajoelha no chão, faz um carinho no Hendrix, e diz que ainda bem que a Soraia tem um apartamento enorme, onde ele cabe folgadamente. Depois, vai embora, sem responder a pergunta de Soraia.

Sim, ela está extremamente chateada nesse dia. Conversou quase uma hora com o pôster do seu artista preferido, tentando entender o motivo de tal descabimento. Ele não tinha nada a dizer, e ela entende. Esse é um assunto delicado. Daí sua mãe gritou “café na mesa!” e, quase que ao mesmo tempo, seu estômago roncou. Ela beijou o pôster, desejando um ótimo dia ao artista e foi tomar café da manhã. Comeu tudo, como a mãe ordenou, e mais três ou sete bolachas. Depois, foi para a escola, o coração apertado.

O que deixou a menina cabisbaixa, intrigada, com vontade de nunca mais pentear os cabelos, em sinal de protesto, foi o jeito com o qual as meninas-zombeteiras trataram uma nova aluna da classe, na semana anterior. As cascas-grossas disseram que se a menina pronunciasse uma palavrinha que fosse elas treinariam tiro ao alvo com elástico, e a menina seria o alvo. Além disso, teve a outra coisa...

A aluna nova não disse palavrinha que fosse. Mesmo com a menina puxando conversa, animada, doida para conhecer melhor a colega de classe. Nadinha de nada. Assim, a menina teve outra longa – e exaustiva – conversa consigo, mas desta vez não foi seu reflexo o ouvinte, e sim a nova vítima das meninas-zombeteiras.

No final da aula, após outro monólogo da menina, a aluna nova se aproximou bem dela e disse - meio que assoprando as palavras, evitando mover os lábios, que estava morrendo de medo de a descobrirem e ela se tornar alvo de elástico: “você beija pôster? Não tem nojo, não? Eita! Guria porca...”.

A menina nova ficou uma semana calada. Quando foi liberada pelas meninas-zombeteiras, ela se mostrou uma ótima conversadeira. Porém, ela se uniu as suas ex-algozes, expressando a sua opinião sobre a outra. Foi assim que, no dia anterior, as meninas-zombeteiras adotaram mais um adjetivo para infernizá-la: porca. Agora, ela era a menina porca do pôster.

Ela não entende a facilidade com a qual as pessoas definem as outras. Sem contar que ela gosta por demais da porquinha que a Dona Ludmila, do apartamento 12, adotou. Até laço cor-de-rosa na Severina a Dona Ludmila colocou. Ficou linda, linda.

A menina sabe que isso vai passar, e que não gosta de perder tempo sem perguntar, questionar, querer saber mais e mais sobre o tudo. A sua curiosidade é fã da gentileza e do respeito, talvez por isso os adultos gostem tanto de conversar com ela. Nem sempre funciona com as meninas de sua idade, mas ela entende que o ser humano não pode ser bom em tudo. Ela é boa com as conversas... Até o Ludovico disse isso, fazendo careta, mas disse.

Ontem ela levou uma rasteira desse sentimento novo: desapontamento. Ainda assim, tem muito a contar, debater, desfiar. Por isso, ela planeja, na volta da escola, uma parada de boa duração no balcão do Seu Genival. Talvez toque a campainha da Soraia - que fez com que ela prometesse nunca mais chamá-la de Senhora ou Dona - para comer a famosa gelatina de morango e fazer carinho no Hendrix. Quem sabe ela não faz uma visita a Dona Ludmila - que a fez prometer não chamá-la de Lud, como as suas irmãs a chamam - e leva a Severina para um passeio pelo corredor?

No meio do caminho, antes mesmo de chegar à escola, a menina sorri. No portão, agrupam-se as meninas-zombeteiras, mas ela se sente tranquila, e acena para elas, antes de atravessar o portão. Elas torcem o nariz, uma até faz o sinal da cruz.

Hoje ela vai ter muito que conversar com o pôster. E antes do beijo de boa noite, ela vai escutar aquela música, sabe? Aquela...


Imagem © freeimages.com

carladias.com

Comentários

Anônimo disse…
Que merda
Carla Dias disse…
Anônimo... Tá bom, então ;)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …