Pular para o conteúdo principal

ESTOU INDO PARA A FACULDADE DE ARTES
>> Clara Braga

Esses dias estava lembrando daqueles memes, famosos no Facebook, que mostram imagens indicando o pensamento dos pais, dos amigos e da namorada/namorado quando o cara diz que está na faculdade tal em contraste com a imagem real. Alguns eram divertidíssimos, me parecia que quanto mais "de humanas" o curso era, piores eram os pensamentos, principalmente os dos pais e da namorada/namorado.

Nunca soube exatamente o que meus pais pensavam quando eu falava que estava indo para a faculdade de Artes. Talvez eles pensassem que eu estava de mudança, por causa da quantidade de coisa que eu levava, fora isso eu nem imagino. Meus amigos eram divididos, alguns achavam que eu ficava vendo gente pelada o dia todo, o que não estava totalmente errado, já que desenho 1 e 2 era com modelo vivo e nu. Mas na época em que eu fazia faculdade de Artes e Letras ao mesmo tempo, saía da aula de gravura e ia direto para a aula de gramática. Com certeza, o pessoal de Letrasachava que eu era drogada, chegava sempre fedendo a querosene ou a algum tipo de ácido que a gente usava para gravar as chapas de metal. Se decepcionariam se descobrissem o quão careta eu fui! Outros pensavam apenas que eu tinha vocação para ser pobre, pensamento que eu acho bem questionável, mas não vou entrar nessa discussão.

Depois que me formei, fui batalhar meu espaço no mercado de trabalho. Consegui trabalhar em algumas escolas. Ponto negativo de Artes: como a carga horária é pouca, não dá para trabalhar em uma escola só, mas enfim, daí em diante comecei a ver o que a comunidade escolar pensa quando você diz que fez faculdade de Artes:

Primeiro semestre — elaborando cartões: como ser criativo e surpreender seus parentes nos dias do pai, da mãe e dos avós.

Segundo semestre — Dia do Índio: criando fantasias de papel crepom.

Terceiro semestre — decoração de interiores: como arrasar com belíssimas decorações de festa junina, Páscoa e Natal com um preço super em conta!

Quarto semestre — caça ao tesouro: conhecendo os lugares mais baratos para comprar elementos básicos de decoração e descobrindo as costureiras mais barateiras para confecção de fantasias.

Quinto semestre — habilidades manuais: como transformar qualquer tipo de papel em um belíssimo enfeite de mesa.

Esses são os semestres focados em artes, especificamente. Além dessas disciplinas, temos também as matérias com grade compartilhada com outros cursos:

Sexto semestre — Psicologia 1: o que responder aos pais com olhos marejados na reunião de pais e mestres quando os ouvir dizer: não sei mais o que fazer com meu filho!

Sétimo semestre — psicologia 2: não, a resposta certa não é "mata o infeliz"!

Oitavo semestre — esquema tático: seja um ninja e pegue no flagra todos os alunos que estiverem tentando colar durante a prova.

Nono semestre — faculdade de Dança pra quê? Aprenda a montar coreografias básicas de diversos gêneros musicais.

TCC: pra que se estuda Artes mesmo?

Com isso cheguei à conclusão de que não tenho sido um bom negócio para as escolas que trabalhei/trabalho. Até que sou boa professora, com a prática as coisas vão melhorando, mas sou uma péssima decoradora. Tomara que os professores de Educação Física tenham cumprido com todas as disciplinas obrigatórias do curso. Já dá uma ajuda!

Comentários

É, Clara...
Só sendo "artista" mesmo. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …