Pular para o conteúdo principal

DO PERDÃO >> Whisner Fraga

Naquela época, o Brasil vivia uma crise e minha família também. Com o divórcio, minha mãe, uma dona-de-casa esperta e temerosa, tentava sobreviver. Da separação ficara com uma casa razoavelmente grande, que alugava. Tinha uma pequena renda, oriunda dessa locação e da pensão de um salário mínimo ao mês. Como morava apenas com meu irmão, não precisava de um imóvel tão grande, de modo que ambos locavam um apartamento de dois quartos.

Minha mãe é uma pessoa muito correta, de forma que prefere sacrificar o que for possível e o que não for para não ficar devendo a ninguém. A família que habitava a casa dela não era rica, mas os parentes sim. Era um irmão o responsável por todas as despesas deles. A coisa ia razoavelmente bem, a não ser pelos constantes atrasos no pagamento. Os milionários não eram pontuais na liquidação de suas dívidas.

Minha mãe, acostumada, explicava para o Enio da farmácia, para o Sebastião do mercado e para o Vilela, do varejão. Todos entendiam que a senhora era uma boa pagadora e que um dia receberiam o que vendiam fiado. Só que um dia a coisa degringolou. O locatário atrasou quatro meses seguidos. Recebi um telefonema da velha, se eu não podia ajudá-la. Financeiramente não. Naquela época eu mal tinha para a comida. Vivia da ajuda do pai, de bolsas da universidade e de pequenos trabalhos para os colegas.

Logo ela esclareceu que queria outro tipo de força: que eu ligasse para o Fulano riquíssimo e tentasse resgatar o que ele lhe devia, de preferência com juros. Então telefonei para a casa do senhor e quem atendeu foi a filha dele. Pedi a ela que chamasse o pai e ela perguntou qual seria o assunto. Adiantei o expediente e fui humilhado ali mesmo, virtualmente. Que eu não sabia com quem estava falando, que a família dela não era afeita a calotes, que ela iria me processar, que eu não era ninguém, que ela era isso e aquilo e muito mais e assim por diante. Inexperiente, me rendi aos aparentes fatos e decretei o fracasso a minha mãe.

Lógico que a vontade que tinha era de ir lá e tirar tudo a limpo. Se fosse hoje, a coisa não ficaria assim. Mas como não desejo mal a ninguém, só espero que a família tenha se ferrado aí pela vida afora e ficado pobre graças a algum investimento malfeito. Mais do que isso seria maldade. Hoje eu entendo que o que aquela moça fez é parte de uma cultura machista que ainda está tão em voga e que tem como objetivo simplesmente humilhar os mais fracos.

Voltei para meu curso de engenharia, chateado porque naquele momento experimentava a maldade e a falta de solidariedade típicas do ser-humano. Minha mãe passou por aquela, conseguiu quitar suas dívidas, um pouco, paradoxalmente, graças à boa-vontade dos comerciantes da cidade. E nesse momento experimentei também a benevolência e o altruísmo típicos do ser-humano. E descobri que a vida é injustiça e perversidade, mas também mistério e clemência, como deve ser.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …