Pular para o conteúdo principal

DESASSOMBRO >> Carla Dias >>


Quanto mais o tempo se coloca entre nós e algumas das nossas histórias, mais essas histórias se parecem com a de outra pessoa. Poderíamos até contá-las como se falássemos sobre algum conhecido, com quem mantemos uma relação de afeto, apesar de estarmos distantes.

Acredito que o mesmo aconteça com os desejos para a vida. Não são apenas planos, projetos ou sonhos, mas desejos aos quais dedicamos muito tempo e trabalho para realizar, e que postergamos essa realização com a sensação de autoria desse ato, quando na verdade se trata de um cancelamento do destino. Não à toa, todos nós acabamos por conhecer – ou nos reconhecermos em – pessoas que não conseguem aceitar que esses desejos já não cabem mais na realidade delas.

Quando aprendemos que o indelével é tão frágil quanto o perfeito, nos tornamos capazes de reconhecer a riqueza da troca que a vida nos oferece. Os desejos podem não ser aqueles de há duas décadas. Eles podem ter sido transformados não somente pelo tempo que passa - proporcionando números a mais ao frescor da nossa idade -, mas também pelas experiências que acolhemos. Por mais experientes que possamos nos tornar com a passagem do tempo, é preciso nos despedirmos dos desejos para a vida que compusemos quando corpo e alma tinham todo tempo do mundo para realizá-los. Havia essa sintonia inspiradora, capaz de nos fazer alcançar o quase impossível. De duração que, mais tarde, vai nos soar como mais breve do que jamais imaginaríamos.

Apesar das mudanças oriundas do irrealizável, ainda temos todo o tempo do mundo. Pode não ser mais todo o tempo do mundo que tínhamos quando abraçamos aqueles desejos que, de acordo com a tenacidade do momento - regalia da ignorância sábia que incita possíveis corajosos -, eram nossos e tudo era questão de tempo e empenho. Ainda assim, é todo o tempo do mundo, o de cada um de nós, planando sobre o conhecimento adquirido, a sabedoria que conquistamos somente vivendo o muitas vezes desconhecido, compreendendo que há espaço para nós no improvável.

Extrair desses desejos para a vida a longevidade de um para sempre. Revê-los, abrir mãos de alguns, ainda que sejam marcantes na nossa biografia, praticamente definidores daquela pessoa que nos tornaríamos e que vendemos aos patrões - por meio de currículos e projetos -, e durante as conversas com os amigos - como desfecho decidido, sem espaço para mudanças. Negar a esses desejos o poder de nos guiar pela vida é o mesmo que oferecer espaço para o deslumbramento diante de uma surpresa. E essa é das liberdades aprazíveis.

Temos todo o tempo do mundo quando nos damos conta de que, com o tempo, somos capazes de abrir mão do que nos mantém estagnados, tamanha ansiedade por realizar desejos para a vida que nem mesmo condizem com a nossa história.

Assim, escolhemos o tempo de quem fala sobre si, reconhecendo-se.

Foto © Mônica Côrtes

Comentários

Lilu disse…
Gosto muito dos teus escritos, Carla. Este especialmente me tocou agora. Grata.
Carla Dias disse…
Lilu... Obrigada por se permitir tocar por um texto meu. Um beijo.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …