Pular para o conteúdo principal

O CAMINHO >> Sergio Geia






A imagem é a de uma lata de salsicha. Pode ser de ervilha. Milho. Grão de bico. Mas ele não consegue encontrar a ideia de prisão de que tanto falam, de alguém escravo de suas próprias peles; embutido. Foi criando, eles dizem. Achando que era assim ou assado. De repente, estava escondido debaixo de uma fileira de edredons.

Tudo aconteceu de forma rápida e natural, eles prosseguem. Imperceptível também. Nada forçado, empurrado. Mas ele ainda não percebe tão claramente. Tudo está escondido num nevoeiro denso. Se bem que tem o tal do feeling. Ele tem. Na verdade, no fundo, mas bem lá no fundo mesmo, ele sabe. Sempre achou que estava fazendo a coisa certa, que percorria uma estrada segura. O que não podia imaginar era que essa estrada aparentemente segura e charmosa pudesse ser uma armadilha. A pele foi cortada. A natureza, transmudada. A alma, mutilada.

Elas gritam. Até então, viviam lá, tranquilas, pescando bacalhau na Noruega. Tipo sujeira debaixo do tapete. A ficha cai e ele resolve olhar com mais cuidado, levanta o tapete e encontra uma pasta enegrecida. Tem medo. Muito medo. Abaixa o tapete. Prefere ignorar, seguir adiante. Mas não dá. O adiante dura nada, e quando vê, está lá novamente. Agora, com coragem, encarando o negrume.

Ficam amigos e passam a trocar figurinhas. Com o tempo, descobre que não era nada daquilo. Um bebê. A inocência pura. O pensamento o fortalece. Estranho esse mundo que transforma maus em bons, complicado em simples, morte em vida. O tempo. Descobre que de todos, todos os seus amigos, até os mais íntimos, ninguém, mas ninguém tem o abraço do conforto mais apertado e curativo que o tempo.

Mas esse mesmo amigo revela que de candura o bebê não tem nada. Se estava pensando que era fácil, danou-se. Nada é fácil nessa vida. Descobre coisas novas, fissuras que precisam ser cuidadas, vazios que precisam ser preenchidos, nevoeiros que precisam ser dissipados. Descobre que precisa reencontrar sua natureza essencial para ser quem verdadeiramente é. Descobre que precisa encarar seus monstros intocáveis para tornar-se alguém de verdade, um ser de luz. Uno.

Ele se espanta com as luzes da cidade. Depois de mais uma boa e exaustiva caminhada, enfim um lugar para comer, fazer amigos e descansar. Sabe que é a primeira de muitas paradas. Sabe que o caminho pode ser ao mesmo tempo atraente e enriquecedor, perigoso e fatal. Mas tem a nítida sensação de que será bom, e que vai chegar são e salvo ao seu destino. Como o alquimista, até tem a intuição de que sabe onde seu destino vai dar. No entanto, não há atalhos. Se quer ser alguém de verdade e encontrar a sua essência, precisa correr riscos, precisa do caminho.

 

Ilustração: Renoir

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …