Pular para o conteúdo principal

VIVENDO, ENSINANDO E APRENDENDO >> Clara Braga

Pela primeira vez em minha ainda curtíssima carreira como professora, tive que aplicar provas de outras disciplinas e ficar “cuidando” da turma enquanto faziam a prova. A situação me levou para um passeio na minha época de escola e me fez dar muitas risadas internas enquanto curtia a nostalgia.

É muito nítido quando chega aquele momento em que todo mundo já respondeu as questões que sabia e agora está apenas esperando pela luz divina! Cada um espera do jeito que pode, mas a maneira clássica é olhando para o teto, como se estivesse de fato conversando com alguém lá em cima e pedindo uma forcinha. Os mais inquietos e ansiosos esperam um pouco, se o cara lá de cima não aparece eles fazem aquela cara de que já deram tudo de si e saem na esperança de terem, pelo menos, acertado as questões que responderam. Os que têm mais fé esperam até o último momento. Podem estar na mesma questão há horas, mas só saem da sala quando o sinal bate. A prova não mudou nessa uma hora, nenhuma questão foi respondida com a ajuda divina, mas para esses fica a consciência limpa de que tentaram até o último minuto, literalmente. Acho até que isso devia ser levado em consideração na hora de lançar as notas.

Mas se tem coisas que não mudaram muito com o passar dos anos são a cara de desespero de um aluno que não consegue resolver uma questão de física e a forma como as pessoas pedem cola. Não tem para onde correr, toda turma tem que ter os famosos caras de pau. Os caras de pau são aqueles que olham mais para você do que para a prova, na esperança de que você vá dar aquela vacilada para ele pegar a resposta com o colega do lado. Não estudam nada, se garantem no conhecimento do vizinho e juram que professor nunca foi aluno e nunca passou pela mesma situação. Sabem de nada, inocentes!

Mas a verdade é que eu acabo amolecendo e, às vezes, repito, às vezes, finjo que não estou vendo. Me ponho no lugar desses alunos e lembro do sentimento que tinha, de que minha vida dependia daquilo. Mal sabia eu que aquilo não era nada perto do todo… aliás… se tem algo que essa fase da vida me ensinou foi que o que tenho hoje ainda não é nada perto do todo. E tenho a sensação de que com o passar dos anos, vou cada dia mais ter a impressão de que ainda me falta muita coisa para viver e aprender. Hoje é sempre uma base, um aprendizado para amanhã. É essa vontade de querer saber mais que faz com que a gente siga em frente. E hoje entendo quando os professores dizem que aprendem muito ensinando. Nesse dia de prova de física, tive uma lição maravilhosa que pretendo passar para todos os meus alunos de agora em diante.

Foi justo nesse momento em que os alunos já não viam mais uma luz no fim do túnel, tentavam de qualquer jeito conseguir uma resposta, nem que fosse olhando para a prova do colega que também não sabia a resposta. Eu, vendo a agonia deles, estava quase passando uma cola qualquer, já que eu também não sabia a resposta, só para acabar com aquela situação. Nesse momento, o professor de física entra na sala e, antes de ir tirar dúvida por dúvida, fala: gente, vocês tem mania de querer saber tudo, a gente não tem que saber de tudo!

Talvez esses alunos ainda demorem muito para entender a força dessa frase, mas nesse exato momento, eu, que venho me cobrando muito para estudar e preparar aulas maravilhosas para sempre sanar todas as dúvidas de todos os alunos, senti um peso sendo tirado das minhas costas e um alívio tomando conta de mim: eu não preciso saber de tudo!

Comentários

Anônimo disse…
a antiga "cola", presente em todas as instituições de ensino.. e bastante evidente que muitos dos que a usam, não tem uma sã consciência do que se envolve a matéria ali estudada...permitem-se levarem pela mente dos demais alunos, que em sua maioria também não estudaram religiosamente para obter um minimo conhecimento obtido no recinto escolar..Ves por outra, alunos eximios também colam, com uma utopica necessidade-subjetivamente
Plausiveis tuas cronicas.. . (Kanokosou)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …