Pular para o conteúdo principal

MÚSICA PARA MEUS OUVIDOS >> Clara Braga

Um dia uns amigos vieram conversar comigo sobre um assunto que costuma render: música! Não que eu seja lá muito entendida, mas sou curiosa! Então, me perguntaram qual era minha banda predileta. Quer pergunta mais difícil do que essa? Não sei dizer, sei que minha cantora predileta é a Joss Stone, e quando ela se juntou só com artistas geniais para montar o Super Heavy, foi perfeito, conta como banda?

Se não contar não sei, tenho ouvido muito o Jamie Cullum, que músico!! Mas acho que também não conta como banda né, apesar dele valer por uma banda inteira!

 - Tá, escolher uma banda é difícil mesmo, escolhe um show que você foi e te surpreendeu.
 - Janelle Monae! Foi a maior surpresa boa que eu já tive em um show. Logo depois já comprei os dois CD’s dela (sim, eu ainda compro CD’s) e não parei de ouvir por um bom tempo. Mas também gostei do show que assisti da Beyoncé, fui sem muita pretensão, mas achei ela uma grande artista. Voz muito potente! 

Aliás, se tem algo que mexe mais comigo do que ouvir música é ir a um show! A energia de um show ao vivo é diferente, nada se compara! Aerosmith foi emocionante, Paramore foi super animado, Bob Dylan foi uma experiência um tanto diferente, Alanis, Muse, Ozzy, Black Eyed Peas, John Mayer, Jamiroquai, Steve Wonder, Regina Spector, Creedance, Rollings Stones, todos shows memoráveis. Mas claro, bandas brasileiras também fazem shows maravilhosos: Paralamas do Sucesso, Skank, Natiruts, Kid Abelha, Nando Reis, Penélope, Mônica Salmaso, e mais recentemente o show do Titãs foi muito bom, voltaram a fazer um rock mais pesado, como faziam antigamente!

Tem também os shows e bandas que ouvia na adolescência, que hoje gosto de ouvir em momentos nostálgicos. O clássico é Hanson, e confesso que ouvi o último CD deles e gostei muito, achei que amadureceram muito e fiquei triste deles só terem feito show no Rio, se tivesse aqui em Brasília eu teria ido sem medo de ser feliz. Também é extra nostálgico ouvir Green Day, Silverchair, Spice Girls, Guns n’ Roses, CPM 22, Dead Fish, Shakira (principalmente tentando cantar aquelas partes estranhas e rápidas em espanhol), … !

E sabe aquela mania que algumas pessoas tem de fazer lista? Pois é, a minha maior lista é a de shows que eu ainda pretendo assistir: Bruno Mars, Jessie J, Alicia Keys, Kiss, Funk como Le Gusta, Roberta Sá, Jams (sim, a vencedora do Super Star), The Corrs, No Doubt, U2, Leoni, … Ah, e claro, já estou pensando em como fazer para ir a algum dos shows do Foo Fighters que vão ter no Brasil em janeiro! Show do Foo Fighters também é desejo de adolescência!

Bom, sei que o papo foi caminhando e uma lista enorme de bandas e sons foram sendo citados, até que eu ouvi o comentário: nossa, mas que salada hein, difícil entender e acompanhar seu gosto musical.
Até tentei me explicar, buscar alguma referência, mas acho que a explicação é mais simples do que se imagina: eu gosto de música.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …